Google+ Followers

sábado, 12 de outubro de 2013

Enem - questões simuladas com gabarito comentado - Ciências humanas e suas tecnologias









Grupo de estudo para o ENEM: https://www.facebook.com/groups/674442602690266/



Questões simuladas do Enem com gabarito comentado da área de Ciências humanas e suas tecnologias



Dicas do Arão: http://araoalves.blogspot.com.br/2013/10/curso-de-historia-do-brasil-para-provas.html




1. (Enem PPL 2012)  TEXTO I


Em março de 2004, o Brasil reconheceu na Organização das Nações Unidas a existência, no país, de pelo menos 25 mil pessoas em condição análoga à escravidão — e esse é um índice considerado otimista. De 1995 a agosto de 2009, cerca de 35 mil pessoas foram libertadas em ações dos grupos móveis de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego.


Mentiras mais contadas sobre trabalho escravo. Disponível em www.reporterbrasil.com.br. Acesso em 22 ago. 2011. (Adaptado.) 



TEXTO II


O Brasil subiu quatro posições entre 2009 e 2010 no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pelo Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento. Mas, se o IDH levasse em conta apenas a questão da escolaridade, a posição do Brasil no ranking mundial ficaria pior, passando de 73 para 93.


UCHINAKA, F.; CHAVES-SCARELLI, T. Brasil é país que mais avança, apesar da variável “educação” puxar IDH para baixo. Disponível em: http://noticias.uol.com.br. Acesso em: 22 ago. 2011. (Adaptado).


Estão sugeridas nos textos duas situações de exclusão social, cuja superação exige, respectivamente, medidas de
a) redução de impostos e políticas de ações afirmativas.    
b) geração de empregos e aprimoramento do poder judiciário.    
c) fiscalização do Estado e incremento da educação nacional.    
d) nacionalização de empresas e aumento da distribuição de renda.    
e) sindicalização dos trabalhadores e contenção da migração interna.   


Resposta:

[C]

Para coibir a escravidão por dívida, frequente em municípios menos desenvolvidos da Amazônia e do Nordeste, é fundamental incrementar a fiscalização e a repressão do poder público com ações integradas do Ministério do Trabalho, Poder Judiciário e Política Federal.
A melhor a posição do país no IDH é fundamental aumentar os investimentos e melhorar a gestão no setor de educação.



  
2. (Enem PPL 2012)  A necessidade de se especializar, de forma talvez indireta, aproximou significativamente o campo e a cidade, na medida em que vários aparatos tecnológicos advindos do espaço urbano foram incorporados às práticas agrícolas. Maquinários altamente modernos, insumos industrializados na lavoura são fatores que contribuíram para uma nova forma de produzir no campo, cada vez com maior rapidez e especialização.


OLIVEIRA, E B S. “Nova relação campo-cidade: tendências do novo rural brasileiro”. Revista Geografia. (São Paulo: Escala Educacional, maio 2011 – adaptado)



Com base na aproximação indicada no texto, uma consequência da modernização técnica para os sistemas produtivos dos espaços rurais encontra-se em:  

a) Exigência de mão de obra com qualificação.    
b) Implementação da atividade do ecoturismo.    
c) Aumento do número de famílias assentadas.    
d) Demarcação de terras para povos indígenas.    
e) Ampliação do crédito à agricultura familiar.   


Resposta:

[A]

O processo de modernização agrícola ocorreu no Brasil a partir da década de 1970, quando a penetração do capitalismo no campo, alterou as relações campo-cidade e sendo assim, como mencionado corretamente na alternativa [A], a modernização passa a exigir qualificação de mão de obra na agropecuária. Estão incorretas as alternativas: [B], porque a modernização do campo não resulta na alavancagem do ecoturismo; [C], porque ocorreu aumento de latifundiarização; [D], porque a expansão da agroindústria esbarra em áreas de reservas indígenas; [E], porque a modernização do campo favorece o grande capital.



  
3. (Enem PPL 2012)  Na Serra do Navio (AP), uma empresa construiu uma usina de beneficiamento, um porto, uma estrada de ferro e vilas. Entretanto, depois que as reservas foram exauridas, a companhia fechou a mina e as vilas se esvaziaram. Sobrou uma pequena comunidade de pescadores. São 1,8 mil moradores que sofrem com graves problemas nos rins, dores no corpo, diarreia, e vômitos decorrentes da contaminação do solo e da água por arsênio.

MILANEZ, B. “Impactos da mineração”. Le monde diplomatique. São Paulo, ano 3, n. 36. Adaptado.

A existência de práticas de exploração mineral predatórias no Brasil tem provocado o(a)  
a) criação de estruturas e práticas geradoras de impactos socioambientais pouco favoráveis à vida das comunidades.    
b) adequação da infraestrutura local dos municípios e regiões exploráveis à recepção dos grandes empreendimentos de exploração.    
c) ampliação do número de empresas mineradoras de grande porte que têm sua atuação prejudicada pelo atendimento às normas ambientais brasileiras.    
d) distanciamento geográfico das áreas exploráveis em reação às demarcações de terras indígenas que são pouco apropriadas à extração dos recursos.    
e) estabelecimento de projetos e ações por parte das empresas mineradoras em áreas de atuação nas quais as reservas mineralógicas foram exauridas.   


Resposta:

[A]

A mineração pode acarretar vários impactos socioambientais se não for realizada de forma sustentável. Entre os impactos, a contaminação da água, a poluição do ar, a contaminação do solo, o desmatamento e a possibilidade do surgimento de problemas de saúde na população.



  
4. (Enem PPL 2012)  Na União Europeia, buscava-se coordenar políticas domésticas, primeiro no plano do carvão e do aço, e, em seguida, em várias áreas, inclusive infraestrutura e políticas sociais. E essa coordenação de ações estatais cresceu de tal maneira, que as políticas sociais e as macropolíticas passaram a ser coordenadas, para, finalmente, a própria política monetária vir a ser também objeto de coordenação com vistas à adoção de uma moeda única. No Mercosul, em vez de haver legislações e instituições comuns e coordenação de políticas domésticas, adotam-se regras claras e confiáveis para garantir o relacionamento econômico entre esses países. 


ALBUQUERQUE. J A. G. Relações Internacionais contemporâneas: a ordem mundial depois da Guerra Fria. Petrópolis: Vozes, 2007 (adaptado).


Os aspectos destacados no texto que diferenciam os estágios dos processos de integração da União Europeia e do Mercosul são, respectivamente:  

a) Consolidação da interdependência econômica – aproximação comercial entre os países.    
b) Conjugação de políticas governamentais – enrijecimento do controle migratório.    
c) Criação de inter-relações sociais – articulação de políticas nacionais.    
d) Composição de estratégias de comércio exterior – homogeneização das políticas cambiais.    
e) Reconfiguração de fronteiras internacionais – padronização das tarifas externas.   


Resposta:

[A]

Como mencionado corretamente na alternativa [A], o texto indica que a União Europeia e o Mercosul consolidaram, respectivamente a quarta e a segunda fases de integração dos blocos econômicos, ou seja, a união monetária e a união aduaneira. Estão incorretas as alternativas seguintes porque não se referem às etapas de integração mencionadas no texto.



  
5. (Enem 2012)  A irrigação da agricultura é responsável pelo consumo de mais de 2/3 de toda a água retirada dos rios, lagos e lençóis freáticos do mundo. Mesmo no Brasil, onde achamos que temos muita água, os agricultores que tentam produzir alimentos também enfrentam secas periódicas e uma competição crescente por água.

MARAFON, G. J. et al. O desencanto da terra: produção de alimentos, ambiente e sociedade. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.

No Brasil, as técnicas de irrigação utilizadas na agricultura produziram impactos socioambientais como
a) redução do custo de produção.   
b) agravamento da poluição hídrica.   
c) compactação do material do solo.   
d) aceleração da fertilização natural.   
e) redirecionamento dos cursos fluviais.   


Resposta:

[E]

O uso intensivo da água em alguns rios e a modificação de seus cursos em alguns casos provocam impactos socioambientais como: redução da biodiversidade fluvial, modificação da vegetação do entorno (matas ciliares) e até escassez de água para o consumo humano.

Observação: Trata-se de uma questão polêmica no que se refere à formulação e ao gabarito. O gabarito oficial é [E], embora vários professores que fizeram a resolução tenham questionado a validade e optado pela [B].
O texto trata do uso intensivo de água para a agricultura através da irrigação. O impacto da irrigação em si está na retirada, por vezes, excessiva de volume de água, mas pouco interfere na qualidade da água, portanto não causa “poluição”, “contaminação”, que é causada por fertilizantes, agrotóxicos, etc., o que torna a alternativa [B] incorreta ou pelo menos incompleta. Deve-se levar em consideração que a “análise do texto é fundamental na resolução das questões do Enem”.
A alternativa [E] foi definida como “mais correta”, uma vez que está mais vinculada ao texto; o autor usou “redirecionamento dos cursos fluviais” para referir-se à retirada em excesso de água de rios, represamentos (para uso agrícola ou até para a piscicultura), construção de pequenos canais artificiais, o que costuma ocorrer no Brasil em relação a rios até de pequeno porte. O problema é que a expressão é exagerada, pois nenhum rio é “redirecionado por inteiro”.
Portanto, para a questão ser totalmente correta, teria que ser modificada: 

e) redirecionamento de parte da água dos cursos fluviais.



  
6. (Enem PPL 2012)  Estima-se que cerca de 80% da área cultivada do estado de São Paulo esteja sofrendo processo erosivo, causando uma perda de mais de 200 milhões de toneladas de solo por ano. 70% desse solo chegam aos mananciais, causando assoreamento e poluição.
ZOCCAL, J. C. “Adequação de erosões: causas, consequências e controle de erosão rural”. Soluções cadernos de estudos em conservação do solo e da água. Presidente Prudente: Codasp, v. 1, n. 1, maio 2007. Adaptado.

Como São Paulo, todo o Brasil sofre com o problema da deflagração e aceleração da erosão hídrica em áreas cultivadas, sendo que a perda de solos por esse tipo de erosão caracteriza-se por ser  
a) mais intensa em solos onde se utiliza a técnica de associação de culturas, em comparação com cultivos que deixam a maior parte do solo exposto ás intempéries.   
b) menos intensa em solos que, revolvidos, ficam expostos às chuvas, em comparação àqueles onde são aplicadas técnicas de plantio direto.    
c) mais intensa nos solos onde são realizados cultivos temporários, em comparação àqueles sobre os quais as coberturas de mata são preservadas.    
d) mais intensa em solos expostos a chuvas bem distribuídas, em comparação àqueles sobre os quais a quantidade de chuvas é concentrada ao longo do ano.    
e) menos intensa nos solos cujos alinhamentos dos cultivos seguem as linhas de maior inclinação, em comparação àqueles onde são aplicadas técnicas de terraceamento.   


Resposta:

[C]

Nas áreas com cultivos temporários ou sazonais como milho, soja e algodão, por vezes, o solo fica exposto após a colheita. Assim, os solos ficam vulneráveis a erosão causada pela água da chuva. O plantio direto (mantendo a matéria orgânica da safra anterior sobre o solo) e o cultivo em curvas de nível reduzem a erosão. Nas áreas recobertas por floresta, a erosão é menor, visto que as copas das árvores amortecem o impacto da água e protegem o solo.



  
7. (Enem PPL 2012)  A sociedade em movimento tem gestado algumas alternativas. Surgem novas experiências de luta no campo, nas quais os movimentos sociais têm buscado formas para permanecer na terra, afirmando sua territorialidade. Estes novos sujeitos sociais, de que são exemplo os seringueiros no Acre e as quebradeiras de coco no Maranhão, Pará, Tocantins e Piauí, têm lutado por seu reconhecimento, chegando em certos casos a obter mudanças na legislação. 


MAROUES, M. O conceito de espaço rural em questão. São Paulo: Terra Livre, ano 18, v. 2, jul/dez 2002.

De acordo com o debate apresentado no texto, e visando à permanência digna no campo, a organização social e política dos seringueiros busca  
a) a implementação de estratégias de geração de emprego e renda apoiadas na automação produtiva de ponta.    
b) a efetivação de políticas públicas para a preservação das florestas como condição de garantia de sustentabilidade.    
c) a distribuição de grandes extensões de terra com financiamentos voltados à produção agroindustrial em larga escala.    
d) o estímulo à implantação generalizada de indústrias do setor de papel e celulose focadas na Amazônia.    
e) o aprofundamento de políticas governamentais que potencializem os fluxos sociais para as cidades.   


Resposta:

[B]

Os seringueiros como outros povos da floresta defendem a conservação da floresta amazônica como condição fundamental para o desenvolvimento sustentável como o extrativismo vegetal. Um dos exemplos foi a criação de várias reservas extrativistas na Amazônia.



  
8. (Enem PPL 2012)  A integração do espaço amazônico ao espaço nacional se deu no contexto das questões de fronteiras de políticas, no sentido do dinamismo pioneiro da integração. Essas fronteiras foram elementos fundamentais para a compreensão da geopolítica dos militares, que não apenas objetivavam a posse do vazio demográfico, mas representavam os interesses do governo brasileiro em manter sob sua influência uma grande área no interior do continente. 


MELLO, N. A. Políticas territoriais na Amazônia. São Paulo: Annablume, 2008.



No texto, são apresentados fundamentos da política de colonização de uma importante região brasileira, ao longo do período dos governos militares. Uma estratégia estatal para a ocupação desse espaço foi:  
a) Demarcação de reservas para preservação da floresta.    
b) Criação de restrições para exploração de recursos minerais.    
c) Adoção de estímulos para expansão de grupos econômicos privados.    
d) Concessão de incentivos fiscais para instalação da indústria automobilística.    
e) Construção de uma densa rede de transporte para escoamento da produção agrícola.   


Resposta:

[C]

Durante o regime militar, o governo brasileiro adotou uma política de integração econômica da Amazônia ao restante do país com estímulos para atividades como agropecuária, mineração, exploração de madeira, rodovias e indústria, inclusive através de incentivos fiscais para a iniciativa privada concedidos por agências como a SUDAM e a SUFRAMA.



  
9. (Enem PPL 2012)  Dos senhores dependem os lavradores que têm partidos arrendados em terras do mesmo engenho; e quanto os senhores são mais possantes e bem aparelhados de todo o necessário, afáveis e verdadeiros, tanto mais são procurados, ainda dos que não têm a cana cativa, ou por antiga obrigação, ou por preço que para isso receberam.

ANTONIL, J. A. Cultura e opulência no Brasil [1711]. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1987 (adaptado).

Segundo o texto, a produção açucareira no Brasil colonial era 
a) baseada no arrendamento de terras para a obtenção da cana a ser moída nos engenhos centrais.    
b) caracterizada pelo funcionamento da economia de livre mercado em relação à compra e venda de cana.    
c) dependente de insumos importados da Europa nas frotas que chegavam aos portos em busca do açúcar.    
d) marcada pela interdependência econômica entre os senhores de engenho e os lavradores de cana.    
e) sustentada no trabalho escravo desempenhado pelos lavradores de cana em terras arrendadas.   


Resposta:

[D]

A produção açucareira no Brasil dependia, fundamentalmente, dos trabalhadores braçais que exerciam todas as etapas da produção do açúcar, desde a plantação da cana até o branqueamento do produto final. O senhor de engenho, apesar de dono das terras e das máquinas, não tinha lucro se não tivesse trabalhadores.



  
10. (Enem PPL 2012)  Em teoria, as pessoas livres da Colônia foram enquadradas em uma hierarquia característica do Antigo Regime. A transferência desse modelo, de sociedade de privilégios, vigente em Portugal, teve pouco efeito prático no Brasil. Os títulos de nobreza eram ambicionados. Os fidalgos eram raros e muita gente comum tinha pretensões à nobreza.

FAUSTO, B. História do Brasil. (São Paulo: Edusp; Fundação do Desenvolvimento da Educação).


Ao reelaborarem a lógica social vigente na metrópole, os sujeitos do mundo colonial construíram uma distinção que ordenava a vida cotidiana a partir da  

a) concessão de títulos nobiliárquicos por parte da Igreja Católica.    
b) afirmação de diferenças fundadas na posse de terras e de escravos.    
c) imagem do Rei e de sua Corte como modelo a ser seguido.    
d) miscigenação associada a profissões de elevada qualificação.    
e) definição do trabalho como princípio ético da vida em sociedade.   


Resposta:

[B]

No Brasil colonial, o “ser senhor de engenho” era título que muitos queriam, porque o “status” social daquela época estava relacionado com o “ter terras” e “possuir escravos”. Sendo assim, a distinção social também era baseada nesses termos.



  
11. (Enem PPL 2012)  “É para abrir mesmo e quem quiser que eu não abra eu prendo e arrebento.”

Frase pronunciada pelo presidente João Baptista Figueiredo. APUD RIBEIRO, D. Aos trancos e barrancos e o Brasil deu no que deu. Rio de Janeiro: Guanabara, 1996.

A frase do último presidente do regime militar indicava a ambiguidade da transição política no país. Neste contexto, houve resistências internas ao processo de distensão planejado pela alta cúpula militar, que se manifestaram com  
a) as campanhas no rádio, TV e jornais em favor da lei de anistia.    
b) as posições de prefeitos e governadores em apoio à instalação de eleições diretas.    
c) as articulações no Congresso pela convocação de uma nova Assembleia Nacional Constituinte.    
d) os atos criminosos, como a explosão de bombas, de militares inconformados com o fim da ditadura.    
e) as articulações dos parlamentares do PDS, PMDB e PT em prol da candidatura de Tancredo Neves à presidência.   


Resposta:

[D]      

A reabertura política que poria fim ao Regime Militar no Brasil enfrentou a resistência de “militares radicais” também conhecidos como “militares linha dura” das nossas Forças Armadas. No governo de Figueiredo, a ação desses militares pode ser enquadrada como “terrorista”, uma vez que “cartas-bombas” eram enviadas para redações de jornais e para a OAB e, no caso mais grave, em 1981, um atentado a bomba ocorreu no Rio Centro, durante um show.



  
12. (Enem PPL 2012)  De um ponto de vista político, achávamos que a ditadura militar era a antessala do socialismo e a última forma de governo possível às classes dominantes no Brasil. Diante de nossos olhos apocalípticos, ditadura e sistema capitalista cairiam juntos num único e harmonioso movimento. A luta especificamente política estava esgotada.

GABEIRA, F. Carta sobre a anistia: a entrevista do Pasquim. Conversação sobre 1968. Rio de Janeiro: Ed. Codecri, 1980.


Compartilhando da avaliação presente no texto, vários grupos de oposição ao Regime Militar, nos anos 1960 e 1970, lançaram-se na batalha política seguindo a estratégia de  

a) aliança com os sindicatos e incitação de greves.    
b) organização de guerrilhas no campo e na cidade.    
c) apresentação de acusações junto à Anistia Internacional.    
d) conquista de votos para o Movimento Democrático Brasileiro (MDB).    
e) mobilização da imprensa nacional a favor da abertura do sistema partidário.   


Resposta:

[B]

A ditadura no Brasil foi marcada por movimentos constantes na tentativa de derrubá-la, desde o início. Tanto militares alijados no governo quanto membros da esquerda brasileira promoveram a formação de grupos de guerrilhas, tanto urbanas quanto rurais, para tentar por fim ao regime ditatorial.



  
13. (Enem PPL 2012)  No contexto da polis grega, as leis comuns nasciam de uma convenção entre cidadãos, definida pelo confronto de suas opiniões em um verdadeiro espaço público, a ágora, confronto esse que concedia a essas convenções a qualidade de instituições públicas.
MAGDALENO, F. S. A territorialidade da representação política: vínculos territoriais de compromisso dos deputados fluminenses. São Paulo: Annablume, 2010.

No texto, está relatado um exemplo de exercício da cidadania associado ao seguinte modelo de prática democrática:  
a) Direta.    
b) Sindical.    
c) Socialista.    
d) Corporativista.    
e) Representativa.   


Resposta:

[A]

Apesar do conceito de cidadania ateniense ser excludente, a democracia em Atenas era exercida de maneira direta, com todos os cidadãos participando das decisões políticas, como retratado no texto.



  
14. (Enem PPL 2012)  Mirem-se no exemplo 

Daquelas mulheres de Atenas 

Vivem pros seus maridos 
Orgulho e raça de Atenas.



BUARQUE, C.; BOAL, A. “Mulheres de Atenas”. In: Meus caros amigos,1976. Disponível em: http://letras.terra.com.br. Acesso em 4 dez. 2011 (fragmento)


Os versos da composição remetem à condição das mulheres na Grécia antiga, caracterizada, naquela época, em razão de  
a) sua função pedagógica, exercida junto às crianças atenienses.    
b) sua importância na consolidação da democracia, pelo casamento.    
c) seu rebaixamento de status social frente aos homens.    
d) seu afastamento das funções domésticas em períodos de guerra.    
e) sua igualdade política em relação aos homens.   


Resposta:

[C]

[Resposta do ponto de vista da disciplina de Sociologia]
As “mulheres que vivem para os seus maridos” são mulheres que têm seu status social definido a partir da subserviência aos homens. De fato, na sociedade ateniense clássica, as mulheres não possuíam os direitos de cidadania, tendo sua importância vinculada aos afazeres domésticos e reprodutivos da sociedade.

[Resposta do ponto de vista da disciplina de História]
O conceito de cidadania ateniense era excludente, privilegiando apenas os homens maiores de 21 anos e atenienses natos. Sendo assim, as mulheres atenienses não eram consideradas cidadãs, não exerciam a democracia ateniense e, portanto, estavam abaixo dos homens na hierarquia social.



  
15. (Enem PPL 2012)  O Estado sou eu.
Frase atribuída a Luíz XIV, Rei Sol (1638-1712). Disponível em http://wwwportaldoprofessor.mec.gov.br. Acesso em 30 nov. 2011.


A nação é anterior a tudo. Ela é a fonte de tudo. Sua vontade é sempre legal: na verdade é a própria lei.
SIEYÈS, E. J. O que é o Terceiro Estado. Apud ELIAS, N. Os alemães: a luta pelo poder e a evolução do habitus no século XIX e XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.


Os textos apresentados expressam alteração na relação entre governantes e governados na Europa. Da frase atribuída ao rei Luis XIV até o pronunciamento de Sieyès, representante das classes médias que integravam o Terceiro Estado Francês, infere-se uma mudança decorrente da  
a) ampliação dos poderes soberanos do rei, considerado guardião da tradição e protetor de seus súditos e do Império.   
b) associação entre vontade popular e nação, composta por cidadãos que dividem uma mesma cultura nacional.    
c) reforma aristocrática, marcada pela adequação dos nobres aos valores modernos, tais como o princípio do mérito.    
d) organização dos Estados centralizados, acompanhados pelo aprofundamento da eficiência burocrática.    
e) crítica ao movimento revolucionário, tido corno ilegítimo em meio à ascensão popular conduzida pelo ideário nacionalista.   


Resposta:

[B]


O levante do Terceiro Estado na Revolução Francesa tinha como objetivos por fim ao Absolutismo francês (expresso no primeiro texto) e aos privilégios da nobreza, a partir da afirmação de que a vontade do povo constitui a nação e a lei (como mostrado no segundo texto). 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

HOTWORDS

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Follow by Email

Textos relacionados