Loading...

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Texto III - A Reforma Religiosa - 1º ano



A Reforma religiosa


Antecedentes





No fim da Idade Média, o crescente desprestígio da Igreja do Ocidente, mais interessada no próprio enriquecimento material do que na orientação espiritual dos fiéis; a progressiva secularização da vida social, imposta pelo humanismo renascentista; e a ignorância e o relaxamento moral do baixo clero favoreceram o desenvolvimento do grande cisma do Ocidente, registrado entre 1378 e 1417, e que teve entre suas principais causas a transferência da sede papal para a cidade francesa de Avignon e a eleição simultânea de dois e até de três pontífices.





Uma angústia coletiva dominou todas as camadas sociais da época, inquietas com os abusos da Igreja, que exigia dos fiéis dízimos cada vez maiores e se enriqueciam progressivamente com a venda de cargos eclesiásticos. Bispos eram nomeados por razões políticas e os novos clérigos cobravam altos preços pelos seus serviços (indulgências), e nem sempre possuíam suficientes conhecimento de religião ou compreendiam os textos que recitavam.





Com as rendas que auferiam, papas e bispos levavam uma vida de magnificência, enquanto os padres mais humildes, carentes de recursos, muitas vezes sustentavam suas paróquias com a instalação de tavernas, casas de jogo ou outros estabelecimentos lucrativos. Outros absurdos como a venda de objetos tidos como relíquias sagradas – por exemplo, lascas de madeira como sendo da cruz de Jesus Cristo – eram efetuados em profusão. Diante dessa situação alienante, pequenos grupos compostos por membros do clero e mesmo por leigos estudavam novas vias espirituais, preparando discretamente uma verdadeira reforma religiosa.





O Luteranismo na Alemanha


Intimamente influenciado pelo pensamento agostiniano, Lutero começou a enxergar respostas para as questões de fé que iam de encontro ao que era ensinado pela Igreja. A seu ver, a fé era o item fundamental e suficiente para que o homem obtivesse salvação. Em sua obra 95 teses, Lutero levantava um conjunto de críticas à Igreja e à autoridade papal. Publicada em alemão, a obra deu acesso para que os mais diferentes estratos da sociedade alemã tivessem conhecimento sobre o conteúdo de suas idéias.





Em resposta às críticas, o Papa Leão X enviou uma correspondência exigindo que Lutero renegasse todo o conteúdo de suas idéias. Indignado com essa imposição, Lutero queimou o documento clerical. Nesse contexto, os principies alemães passaram a se aproximar de Lutero. Isso porque tinham o interesse de livrarem-se da influência política da Igreja, advinda do seu controle de cerca de um terço das terras alemãs.





Com a popularização das idéias luteranas, diversos conflitos de ordem religiosa e social desenvolveram-se por toda Alemanha. Camponeses atraídos pelo enfrentamento ao catolicismo, e todas as práticas por ele legitimadas, saquearam igrejas e tomaram terras por toda a Alemanha. Impassível às mudanças, o imperador Carlos V convocou as autoridades religiosas e políticas da Alemanha em uma assembléia conhecida como a Dieta de Worms.





Nessa reunião, ficou estabelecido que Martinho Lutero era herege e que suas idéias eram um desacato aos ensinamentos da Santa Igreja. O endurecimento da Igreja de nada adiantou, atraídos pelo fim da supremacia política católica, os nobres alemães resolveram proteger Lutero. Durante esse tempo fundamentou os princípios de uma nova igreja que, inclusive, seria subordinada ao Estado.





Entre outras coisas, Lutero permitia o casamento entre os pregadores de sua igreja, proibia a adoração de ícones, adotava a fé como meio para a salvação e a livre interpretação da Bíblia.





Enquanto fundava a nova Igreja, um novo movimento, inspirado nos ideais de Lutero, radicalizava as transformações para fora do campo religioso. Os anabatistas defendiam que a reforma seria um princípio pelo qual o privilégio econômico dos nobres também seria violado. Em resposta, Lutero condenou esse novo movimento e apoiou a dura repressão dirigida contra os anabatistas.





No ano de 1529, a instabilidade causada pelas reformas abriu o início do diálogo entre a Igreja e os luteranos. A assembléia da Dieta de Spira tentou limitar o campo de atuação do movimento reformista. Sem muito efeito, a Paz de Ausburgo, assinada em 1555, definia a adoção do “cujus Regis ejus religio”, ou seja, cada principie com sua religião. A partir disso, Lutero abriu portas para a disseminação de uma nova Igreja pela Europa.





A Reforma Calvinista





Na França, o teólogo João Calvino posicionou-se com as obras protestantes e as idéias evangelistas, partindo da necessidade de dar à Reforma um corpo doutrinário lógico, eliminando todas as primeiras afirmações fundamentais de Lutero: a incapacidade do homem, a graça da salvação e o valor absoluto da fé.


Calvino julgava Deus todo poderoso, estando a razão humana corrompida, incapaz de atingir a verdade. Segundo ele, o arrependimento não levaria o homem à salvação, pois este tinha natureza irremediavelmente pecadora. Formulou então a Teoria da Predestinação: Deus concedia a salvação a poucos eleitos, escolhidos por toda a eternidade. Nenhum homem poderia dizer com certeza se pertencia a este grupo, mas alguns fatores, entre os quais a obediência virtuosa, dar-lhe-iam esperança.


Os protestantes franceses seguidores da doutrina calvinista eram chamados huguenotes, e se propagaram rapidamente pelo país. O calvinismo atingiu a Europa Central e Oriental. Calvino considerou o cristão livre de todas as proibições inexistentes em sua Escritura, o que tornava lícitas as práticas do capitalismo, determinando uma certa liberdade em relação à usura, enquanto Lutero, muito hostil ao capitalismo, considerava-o obra do demônio. Segundo Calvino, "Deus dispôs todas as coisas de modo a determinarem a sua própria vontade, chamando cada pessoa para sua vocação particular". Calvino morreu em Genebra, em 1564. Porém, mesmo após sua morte, as igrejas reformadas mantiveram-se em contínua expansão.





A Contra Reforma




Após a reforma protestante a Igreja perdeu o domínio sobre a Inglaterra, metade da Alemanha e parte de diversos países da Europa. Desta forma, a Igreja se viu obrigada a tomar medidas drásticas para frear a onda protestante que se alastrava pela Europa. Assim, foi reaberto antigo Tribunal da Santa Inquisição. Além disso, a Igreja publicou em 1564 o “Index Libro rum Prohibitorum”, onde listava todos os livros considerados hereges por pregar contra os dogmas da Igreja.
Então, em 1545 realizou-se o Concílio de Trento, que duraria até 1563 e pelo qual a Igreja conseguiu provar que ainda era bastante poderosa para deter as reformas que haviam se alastrado pela Europa. Dentre uma série de medidas tomadas no Concílio podemos destacar o fortalecimento da autoridade do Papa e o surgimento de novas ordens religiosas (como a Companhia de Jesus). O Concílio decidiu também, criar regras para o clero, os padres deveriam estudar em seminários, estudando o catolicismo a fundo, coisa que não acontecia anteriormente, e estabeleceu-se um limite mínimo de idade para a ordenação: 25 anos para padre e 30 para bispo. Foi estabelecido também, que a Bíblia só poderia ser interpretada pela Igreja e foram mantidos os cultos das imagens e da Virgem Maria.
Após a Contra-Reforma ou Reforma Católica o papado havia se fortificado e a Companhia de Jesus, fundada por Inácio de Loyola em 1543, tornou-se a escola dos filhos da nobreza que ajudou a fortalecer ainda mais a Igreja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

HOTWORDS

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Follow by Email

Textos relacionados