Google+ Followers

Oriente Médio e Palestina

sábado, 28 de janeiro de 2017

Israel e as guerras: do Plano de Partilha à Guerra de Independência





Da mesma forma que Portugal, o Estado de Israel nasceu com uma espada apegada à mão.

Se antes de 1947, a palestina parecia um barril de pólvora, após a resolução 181 da Assembleia Geral das Nações Unidas, a situação pioraria ainda mais. Entenda os antecedentes e as consequências imediatas da criação do Estado de Israel.

Bons estudos,

Professor Arão Alves



terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Questões CESPE Comentadas



Para manter-se atualizado, inscreva-se no meu canal:
https://www.youtube.com/channel/UC23whF6cXzlap-O76f1uyOw/videos



Julgue como  (C) certo ou (E) errado as afirmativas seguintes:

1-A despeito do 7 de abril e da assunção dos brasileiros ao poder, os privilégios das nações europeias são mantidos na política externa do Império brasileiro. Tal posicionamento resulta no afastamento cada vez mais intenso da ex colônia portuguesa em relação em relação aos seus vizinhos latino-americanos.


(    ) CERTO                                                 (     ) ERRADO


2- A Derrota da URSS na crise de Berlim, adiou, por duas décadas,  qualquer possibilidade de os soviéticos alcançarem  equilíbrio de forças  no contexto da Guerra Fria. Tal situação só começaria a ser revertida após as imposições resultantes da crise dos mísseis.


(     ) CERTO                                               (      ) ERRADO



3- Mesmo em um contexto de Guerra Fria, o presidente republicano, Dwight Eisenhower, apoiou a criação da Agência Internacional de energia atômica no ano de 1956.


(    ) CERTO                                                (     ) ERRADO


4- A história das Relações  do Brasil com os EUA passam por diferentes momentos ao longo do século XX. A década de 1990 foi profícua nessa relação. A despeito da existência de rugas, principalmente na seara comercial, ambos os países se esforçavam na busca por uma agenda bilateral positiva.

(    ) CERTO                                               (      ) ERRADO



1- ERRADO - O fracasso do Congresso do Panamá não representou o ocaso definitivo da possibilidade de coordenação entre os estados da América Latina. Mesmo, na maior parte dos casos, tendo sido mal sucedidas, as tentativa de coordenação latino-americana podem ser evidenciadss em conferências como as de Lima, Santiago e Washington.

2- ERRADA. Afirmativa "transloucada". Por mais que a URSS tenha recuado em seu posicionamento na crise de Berlim, o ano de 1949 já aponta para a ideia de equilíbrio. Note que nesse ano a URSS faz o seu teste atômico, retirando dos EUA a vantagem que eles possuíam desde 1945. Também em 1949, a revolução chinesa contribui mais uma vez para a recuperação soviética e colabora para uma equalização equitativa de forças.

3- CERTO - A primeira metade da década de 1950, foi palco de uma acelerada corrida armamentista. A tecnologia nuclear era fato, a cooperação entre países de diferentes blocos acontecia a olhos vistos. É nesse contexto que é criada a AIEA, cujo objetivo era o de promover o uso pacífico da tecnologia nuclear. Esse controle era de interesse do governo de Eisenhower, recebendo,por isso, seu apoio.

4- CERTO - Mesmo considerando as hesitações brasileiras em adotar uma agenda mais profundamente comprometida com o consenso de Washington, Mônica Hirst define a relação bilateral  Brasil-EUA na década de 1990 como um período de ajustamento. A redemocratização permitia ao Brasil aprofundar  positivamente sua atuação em áreas como Direitos humanos,  meio ambiente e não proliferação.


Bons estudos,

Professor Arão Alves.

Blog do UERJ em gotas: http://uerjemgotas.blogspot.com.br/

Blog repleto de questões com gabarito comentado: http://araoalves.blogspot.com.br/

Facebook do professor Arão Alves: https://www.facebook.com/araoar

Instagram: https://www.instagram.com/alves.arao/...

Twitter: https://www.facebook.com/l.php?u=http









sábado, 21 de janeiro de 2017

A formação do Estado de Israel: de Sykes-Picot ao atentado no Hotel King David





Há muitas maneiras de se tornar apátrida: todos os dias, apátridas nascem. Outros se tornaram apátridas devido a acontecimentos do passado. Milhões devem sua condição à criação, conquista, divisão, descolonização ou libertação do país de onde eles próprios ou os seus antepassados são oriundos. O reconhecimento do Estado palestino pode ser considerado uma necessidade, entre outros, pelo combate a condição de apátrida na qual os palestinos estão inseridos. Considerando o contexto histórico da região citada, julgue a afirmativa abaixo como certa (C) ou errada (E)

A Criação da Haganah em 1920, assim como a edição do Livro Branco em 1939, foram importantes passos rumo a resolução da condição de apátrida em que os judeus da palestina viveram até 1948.

(    ) Certa                                     (     ) Errada









Resposta:
ERRADA

A afirmativa está errada, pois o Livro Branco pode ser considerado um retrocesso no projeto sionista. Sua publicação, em 1939, restringia a migração judaica para a palestina, criando barreiras ao projeto de criação de um lar judeu naquela região.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Fuvest 2017 comentada







1.   Os ensaios sediciosos do final do século XVIII anunciam a erosão de um modo de vida. A crise geral do Antigo Regime desdobra-se nas áreas periféricas do sistema atlântico – pois é essa a posição da América portuguesa –, apontando para a emergência de novas alternativas de ordenamento da vida social.
István Jancsó, “A Sedução da Liberdade”. In: Fernando Novais, História da Vida Privada no Brasil, v. 1. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. Adaptado.


A respeito das rebeliões contra o poder colonial português na América, no período mencionado no texto, é correto afirmar que,  
a) em 1789 e 1798, diferentemente do que se dera com as revoltas anteriores, os sediciosos tinham o claro propósito de abolir o tráfico transatlântico de escravos para o Brasil.    
b) da mesma forma que as contestações ocorridas no Maranhão em 1684, a sedição de 1798 teve por alvo o monopólio exercido pela companhia exclusiva de comércio que operava na Bahia.    
c) em 1789 e 1798, tal como ocorrera na Guerra dos Mascates, os sediciosos esperavam contar com o suporte da França revolucionária.   
d) tal como ocorrera na Guerra dos Emboabas, a sedição de 1789 opôs os mineradores recém-chegados à capitania aos empresários há muito estabelecidos na região.   
e) em 1789 e 1798, seus líderes projetaram a possibilidade de rompimento definitivo das relações políticas com a metrópole, diferentemente do que ocorrera com as sedições anteriores.    


Resposta:

[E]

A questão faz referência a duas conjurações que ocorreram no Brasil colonial: a Inconfidência Mineira (1789) e a Conjuração Baiana (1798). Diferentemente das chamadas Revoltas Nativistas, ocorridas anteriormente, as conjurações buscavam a separação entre Metrópole e Colônia, ou seja, buscavam a Independência do Brasil.



  
2.   No Brasil, do mesmo modo que em muitos outros países latino-americanos, as décadas de 1870 e 1880 foram um período de reforma e de compromisso com as mudanças. De maneira geral, podemos dizer que tal movimento foi uma reação às novas realidades econômicas e sociais resultantes do desenvolvimento capitalista não só como fenômeno mundial, mas também em suas manifestações especificamente brasileiras.

Emília Viotti da Costa, “Brasil: a era da reforma, 1870-1889”. In: Leslie Bethell, História da América Latina, v. 5. São Paulo: Edusp, 2002. Adaptado.


A respeito das mudanças ocorridas na última década do Império do Brasil, cabe destacar a reforma
a) eleitoral, que, ao instituir o voto direto para os cargos eletivos do Império, ao mesmo tempo em que proibiu o voto dos analfabetos, reduziu notavelmente a participação eleitoral dos setores populares.   
b) religiosa, com a adoção do ultramontanismo como política oficial para as relações entre o Estado brasileiro e o poder papal, o que permitiu ao Império ganhar suporte internacional.    
c) fiscal, com a incorporação integral das demandas federativas do movimento republicano por meio da revisão dos critérios de tributação provincial e municipal.   
d) burocrática, que rompeu as relações de patronato empregadas para a composição da administração imperial, com a adoção de um sistema unificado de concursos para preenchimento de cargos públicos.   
e) militar, que abriu espaço para que o alto-comando do Exército, vitorioso na Guerra do Paraguai, assumisse um maior protagonismo na gestão dos negócios internos do Império.    


Resposta:

[A]

A Reforma Eleitoral que a questão retrata é a ocorrida em 1881. Ela estabeleceu a eleição direta para cargos legislativos e a exclusão dos analfabetos do pleito.
No modelo anterior, o voto era censitário e incluía os analfabetos. Nesse sistema, por critério de renda, os eleitores paroquiais elegiam os eleitores de província e estes elegiam os deputados.
No sistema estabelecido a partir de 1881, os eleitores paroquiais e os analfabetos foram excluídos, o que levou a uma diminuição drástica do número de eleitores no Império.



  
3.   Não nos esqueçamos de que este é um tempo de abertura. Vivemos sob o signo da anistia que é esquecimento, ou devia ser. Tempo que pede contenção e paciência. Sofremos todo ímpeto agressivo. Adocemos os gestos. O tempo é de perdão. (...) Esqueçamos tudo isto, mas cuidado! Não nos esqueçamos de enfrentar, agora, a tarefa em que fracassamos ontem e que deu lugar a tudo isto. Não nos esqueçamos de organizar a defesa das instituições democráticas contra novos golpistas militares e civis para que em tempo algum do futuro ninguém tenha outra vez de enfrentar e sofrer, e depois esquecer os conspiradores, os torturadores, os censores e todos os culpados e coniventes que beberam nosso sangue e pedem nosso esquecimento.

Darcy Ribeiro. “Réquiem”, Ensaios insólitos. Porto Alegre: L&PM, 1979.


O texto remete à anistia e à reflexão sobre os impasses da abertura política no Brasil, no período final do regime militar, implantado com o golpe de 1964. Com base nessas referências, escolha a alternativa correta.
a) A presença de censores na redação dos jornais somente foi extinta em 1988, quando promulgada a nova Constituição.    
b) O projeto de lei pela anistia ampla, geral e irrestrita foi uma proposta defendida pelos militares como forma de apaziguar os atos de exceção.   
c) Durante a transição democrática, foram conquistados o bipartidarismo, as eleições livres e gerais e a convocação da Assembleia Constituinte.   
d) A lei de anistia aprovada pelo Congresso beneficiou presos políticos e exilados, e também agentes da repressão.   
e) O esquecimento e o perdão mencionados integravam a pauta da Teologia da Libertação, uma importante diretriz da Igreja Católica.    


Resposta:

[D]

A Lei de Anistia, aprovada em 1979, amparava-se em duas proposições: (1) concedia perdão político aos exilados e (2) eximia de culpa os agentes militares e civis que feriram os direitos humanos ao longo da vigência do regime.



  
4.   Mas o pecado maior contra a Civilização e o Progresso, contra o Bom Senso e o Bom Gosto e até os Bons Costumes, que estaria sendo cometido pelo grupo de regionalistas a quem se deve a ideia ou a organização deste Congresso, estaria em procurar reanimar não só a arte arcaica dos quitutes finos e caros em que se esmeraram, nas velhas casas patriarcais, algumas senhoras das mais ilustres famílias da região, e que está sendo esquecida pelos doces dos confeiteiros franceses e italianos, como a arte – popular como a do barro, a do cesto, a da palha de Ouricuri, a de piaçava, a dos cachimbos e dos santos de pau, a das esteiras, a dos ex-votos, a das redes, a das rendas e bicos, a dos brinquedos de meninos feitos de sabugo de milho, de canudo de mamão, de lata de doce de goiaba, de quenga de coco, de cabeça – que é, no Nordeste, o preparado do doce, do bolo, do quitute de tabuleiro, feito por mãos negras e pardas com uma perícia que iguala, e às vezes excede, a das sinhás brancas.

Gilberto Freyre. Manifesto regionalista (7ª ed.). Recife: FUNDAJ, Ed. Massangana, 1996.


De acordo com o texto de Gilberto Freyre, o Manifesto regionalista, publicado em 1926,
a) opunha-se ao cosmopolitismo dos modernistas, especialmente por refutar a alteração nos hábitos alimentares nordestinos.    
b) traduzia um projeto político centralizador e antidemocrático associado ao retorno de instituições monárquicas.   
c) exaltava os valores utilitaristas do moderno capitalismo industrial, pois reconhecia a importância da tradição agrária brasileira.   
d) preconizava a defesa do mandonismo político e da integração de brancos e negros sob a forma da democracia racial.   
e) promovia o desenvolvimento de uma cultura brasileira autêntica pelo retorno a seu passado e a suas tradições e riquezas locais.    


Resposta:

[E]

O Manifesto Regionalista, escrito em 1926 pelo sociólogo Gilberto Freyre, encaixa-se na tendência artística nacionalista deflagrada com a Semana de Arte Moderna, em 1922. Em seu manifesto, Freire defende a valorização das culturas e práticas regionais Brasil afora, buscando enaltecer o nacionalismo.



  
5.   Em relação à ética e à justiça na vida política da Grécia Clássica, é correto afirmar:  
a) Tratava-se de virtudes que se traduziam na observância da lei, dos costumes e das convenções instituídas pela pólis.   
b) Foram prerrogativas democráticas que não estavam limitadas aos cidadãos e que também foram estendidas aos comerciantes e estrangeiros.   
c) Eram princípios fundamentais da política externa, mas suspensos temporariamente após a declaração formal de guerra.   
d) Foram introduzidas pelos legisladores para reduzir o poder assentado em bases religiosas e para estabelecer critérios racionais de distribuição.   
e) Adquiriram importância somente no período helenístico, quando houve uma significativa incorporação de elementos da cultura romana.    


Resposta:

[A]

A ética e a justiça que pautavam a vida política na Grécia amparavam-se em dois princípios: a autonomia das pólis (as chamadas cidades-estados gregas, autônomas entre si) e a participação ativa dos cidadãos (característica principal da política democrática ateniense). 






domingo, 15 de janeiro de 2017

Israel, Palestina e o Oriente Médio





É difícil aquilatar a importância relativa do conflito árabe com o Estado de Israel e, dentro dele, a questão Palestina na crise atual do Oriente Médio. Boa parte dos processos internos e inclusive dos conflitos externos no mundo muçulmano independe da existência desse conflito. Por outro lado, seu papel no discurso de legitimação — tanto interno como externo — dos diferentes governos, grupos políticos e correntes ideológicas, como a Irmandade Muçulmana, a Al-Qaeda e o ISIS, não pode ser ignorado.
Bernardo Sorj. Decifrando a crise no Oriente Médio. In: Revista Política Externa. São Paulo: KPM Editora, vol. 23, mar./2015 (com adaptações)
Tendo o texto acima como referência inicial, julgue (C ou E) o seguinte item, relativos à situação política no Oriente Médio e no mundo islâmico em geral.




Entre as dificuldades identificadas pelos analistas para a modernização do mundo islâmico estão a persistência dos laços de família ampliada e da lealdade aos clãs, que limitam a afirmação individual; a reação patriarcal frente a um mundo ocidental que aprofunda a liberação feminina; e os problemas de pobreza e de baixo nível de escolaridade, que facilitam a entrada de organizações paraestatais que proveem serviços sociais.


( ) CERTO ( ) ERRADO



Certíssimo!!!

A questão está totalmente coerente com a literatura apresentada no enunciado. 
Note a transcrição de parte do texto do mesmo artigo e compare com a afirmativa. 

"Além dos processos sociais desestabilizadores mencionados anteriormente, diferentes autores enfatizam outros fatores que dificultam a modernização do mundo islâmico: a persistência dos laços de família ampliada e lealdades aos clãs, que limitam a individualização; a reação patriarcalista frente a um mundo ocidental que aprofunda a liberação feminina; características intrínsecas da religião muçulmana que travam o surgimento de tendências reformistas; além dos problemas de pobreza e de baixo nível de escolaridade, que facilitam a entrada de organizações paraestatais que provêm serviços sociais."

https://www.youtube.com/watch?v=cwV6q...



sábado, 7 de janeiro de 2017

Questões CESPE com gabarito comentado. Bismark e a Unificação Alemã. Bonapartes, ferro e fogo







Entre os movimentos nacionalistas que se destacaram na Europa do século
XIX, poucos poderiam  rivalizar, em termos de importância, com as
 unificações alemãe italiana. fatores internos  e externos conjugaram para
 que, ao fim do processo de luta,Alemanha e Itália surgissem como
Estados nacionais. A propósito desses acontecimentos,julgue (C ou E)
o item seguinte.

A guerra de 1870 contra a França surpreendeu o chanceler Bismarck,
que considerava o conflito empecilho perigoso a seus planos de unificação 
da Alemanha.

(     ) Certo                                        (      ) Errado

Resposta:

ERRADO!!!!


“Uma unificação feita a ferro e fogo”. essa frase já seria suficiente para decidir-se pelo erro da afirmativa. Podemos também lembrar do Despacho de Ems (ou Telegrama de Ems), que  foi articulado por Bismarck para resolver de vez as pendências da unificação, ao iniciar uma   Guerra com a França. Os Estados do Sul, como Bavária, Baden, Wurttemberg... seriam naturalmente atraídos para a unificação, principalmente a partir do acionamento dos tratados defensivos assinados anteriormente com a Confederação germânica do Norte, sob a batuta do chanceler de ferro. Os últimos segundos do vídeo tratam sobre esse assunto.

Bons estudos,
professor Arão Alves

Questões CESPE com gabarito comentado








O privilégio de iniciar o primeiro julgamento da história por crimes contra a paz no mundo impõe uma grave responsabilidade. Os crimes que procuraremos condenar e punir foram tão premeditados, tão maléficos e devastadores, 1que o mundo civilizado não pode tolerar que sejam ignorados, 2uma vez que este não seria capaz de sobreviver à repetição daqueles. Que quatro grandes nações, arrebatadas pela vitória e ainda ofendidas pela injúria, optem por evitar a vingança e entreguem voluntariamente à lei os seus inimigos capturados é um dos mais significativos tributos já pagos pelo Poder à Razão. O senso comum da humanidade exige que a lei não se restrinja a punir os pequenos crimes da gente miúda. A lei deve atingir também aqueles que detenham grandes poderes e que os usem de forma deliberada e articulada para pôr em ação males os quais não deixam ileso nenhum lar deste mundo. É um caso dessa magnitude que as Nações Unidas apresentarão a Vossas Excelências.

Robert H. Jackson. “Opening address for the United States.” In: Office of United States chief counsel for prosecution of axis criminality. Nazi conspiracy and aggression. Washington: United States Government Printing Office, 1946, p. 114 (tradução com adaptações).


1.   A partir do texto, extraído do discurso proferido na abertura do Tribunal Internacional de Nürembergue, em 1945, julgue os itens a seguir.

a) Vários réus levados à Corte Penal de Nürembergue, entre 1945 e 1946, foram julgados culpados por crimes contra a humanidade, condenação que já se havia tornado comum na Europa, desde a promulgação da Declaração Universal dos Direitos Humanos pela Assembleia Nacional francesa, em 1791.


Resposta:

Respostas:

 a) Incorreta – a prática de julgamentos individuais, por tribunais internacionais é recente, posterior à Segunda Guerra Mundial e à criação da ONU.



b) Entre os crimes julgados pelo referido tribunal, está o de extermínio sistemático de milhões de pessoas que pertenciam a grupos considerados politicamente indesejáveis pelo regime nacional-socialista alemão. Os judeus europeus foram as principais vítimas do Holocausto e, em menor escala, também foram perseguidos cidadãos da Polônia e da União Soviética, pessoas com deficiências físicas, comunistas e socialdemocratas alemães, homossexuais, bem como testemunhas de Jeová.


Resposta:

b) Correta – de fato, a proposição apresenta os motivos e os principais grupos atingidos pelos acusados, representantes do governo nazista, principalmente durante a Segunda Guerra.







terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Congresso de Viena, Concerto Europeu e a Crise do Sistema de Metternich


#CongressodeViena e o #Concertoeuropeu é um daqueles temas de História mundial que não podemos deixar de conhecer. O Sistema de Metternich e sua crise é assunto indispensável para a compreensão do século XIX, assim como no entendimento das tensões que levariam a Europa e o mundo à Primeira Grande Guerra mundial.





A respeito da ordem internacional decorrente do Congresso de Viena, encerrado em 1815, assinale a opção correta.
      (A)  A partir de 1815, a ordem internacional, uma espécie de condomínio de poder pautado pela força, favoreceu o equilíbrio e a estabilidade no continente europeu ao longo do século XIX.
     (B)    Entre 1815 e 1848, embora divergissem em determinados aspectos relacionados à ordem, as grandes potências europeias, fazendo uso do direito de intervenção coletiva, agiram em concerto, do que decorre a expressão Concerto de Viena.
   (C)   A Ordem de Viena definiu um arranjo de poder com dois eixos claramente delimitados: o formado por Inglaterra e Prússia, consideradas potências liberais, e o constituído por Áustria, França e Rússia, consideradas potências conservadoras.
    ( D) O princípio geral do equilíbrio entre as potências europeias valia tanto para a geopolítica quanto para a esfera econômica do continente.
     (E)   Uma das principais características da ordem que se construiu a partir de 1815 e perdurou até o final do século XIX foi a ausência de guerras entre as grandes potências europeias.


Gabarito letra B
Ao longo da aula, fica evidente que a parte da estabilidade não pode ser vista de forma absoluta. O próprio Kissinger tem cuidado e trata a estabilidade do concerto de forma relativa.
 





1.   A Santa Aliança, coalizão entre Rússia, Prússia e Áustria, criada em setembro de 1815, após a derrota de Napoleão Bonaparte, tinha por objetivo político
a) promover e proteger os ideais republicanos e revolucionários franceses em toda a Europa.   
b) impedir as intenções recolonizadoras dos países ibéricos e apoiar as independências dos países latino-americanos.   
c) lutar contra a expansão do absolutismo monárquico e a influência do papado em todos os países europeus.   
d) combater e prevenir a expansão dos ideais republicanos e revolucionários franceses em toda a Europa.   
e) apoiar o retorno de Napoleão ao governo francês e garantir o equilíbrio entre as potências europeias.   


Resposta:

[D]

A Santa Aliança pretendia restaurar os ideais absolutistas na Europa, freando a difusão dos ideais republicanos franceses.



  
2.   “Aproximamo-nos do segundo centenário do Congresso de Viena, quando, depois da Revolução Francesa e das Guerras Napoleônicas, delegações de praticamente todos os estados europeus então se aproximaram para participar dessa cúpula histórica entre setembro de 1814 e junho de 1815, na cidade de Viena”.

Fonte: Associação dos Historiadores Latino-Americanos e do Caribe – ADHILAC. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2014. (Adaptado e traduzido do espanhol)


Explique a função do Congresso de Viena no processo de reorganização dos países europeus após a derrota de Napoleão Bonaparte.


Resposta:

Após a Era Napoleônica, o mapa político europeu estava completamente alterado. As grandes potências absolutistas trataram de reorganizar os governos europeus no Congresso de Viena. Preocupando-se, principalmente, em garantir a permanência dos reis absolutistas no poder, Rússia, Prússia, Inglaterra, Áustria e França discutiram a resolução das questões de fronteiras e a legitimidade dos governos que reassumiram as Monarquias após a derrota napoleônica.



HOTWORDS

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Follow by Email

Textos relacionados