Loading...

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

UERJ 2013 - específica de História - Questões discursivas com gabarito comentado - 1



1. (Uerj 2010)  Gonçalves Dias é um dos principais representantes do Romantismo no Brasil, movimento contemporâneo ao processo de consolidação do Estado monárquico brasileiro e que forneceu elementos simbólicos para a construção da identidade nacional. Observe este fragmento de um de seus poemas:

Canção do Tamoio

Não chores, meu filho;
Não chores, que a vida
É luta renhida:
Viver é lutar.
A vida é combate,
Que os fracos abate,
Que os fortes, os bravos
Só pode exaltar.
(...)

E pois que és meu filho,
Meus brios reveste;
Tamoio nasceste,
Valente serás.
Sê duro guerreiro,
Robusto, fragueiro,
Brasão dos tamoios
Na guerra e na paz.
(...)

Porém se a fortuna,
Traindo teus passos,
Te arroja nos laços
Do inimigo falaz!
Na última hora
Teus feitos memora,
Tranquilo nos gestos,
Impávido, audaz.
(...)

Antônio Gonçalves Dias

Identifique, em Canção do Tamoio, um elemento integrante da proposta de construção da identidade nacional brasileira. Justifique também a utilização desse elemento pelo movimento romântico.


Resposta:

Valorização do indígena ou indianismo
A valorização e a idealização do indígena eram formas de destacar a originalidade do povo brasileiro, diferenciando-o do português colonizador e tentando apagar a presença do negro, significativa por conta da escravidão africana.

A idealização e valorização do indígena como elemento da identidade nacional foi uma característica básica do romantismo no Brasil.



  
2. (Uerj 2009)  O trabalho na colônia:

1 - 1500-1532: período chamado pré-colonial, caracterizado por uma economia extrativa baseada no escambo com os índios;
2 - 1532-1600: época de predomínio da escravidão indígena;
3 - 1600-1700: fase de instalação do escravismo colonial de plantation em sua forma "clássica";
4 - 1700-1822: anos de diversificação das atividades em função da mineração, do surgimento de uma rede urbana, mais tarde de uma importância maior da manufatura - embora sempre sob o signo da escravidão predominante.
            CIRO FlAMARLON SANTANA CARDOSO. In: LINHARES, Maria Yedda (org.). "História geral do Brasil". 9a ed. rio de Janeiro: Campus, 2000.

A partir das informações do texto, verificam-se alterações ocorridas no sistema colonial em relação à mão de obra.
Apresente duas justificativas para o incentivo do Estado português à importação de mão de obra escrava para sua colônia na América.


Resposta:

Duas das justificativas:
- oposição da Igreja Católica à utilização do indígena como escravo.
- dificuldade de apresamento dos indígenas, em função de sua migração / fuga para o interior.
- lucratividade do tráfico internacional de escravos, semelhante à de uma grande empresa, favorecendo traficantes e a Coroa Portuguesa.
- "falta de braços" para a lavoura dos principais produtos coloniais, devido a um ciclo de doenças ocorridas na segunda metade do século XVI, responsável pela morte de milhares de indígenas.
- caráter fortemente hierárquico da sociedade portuguesa desse momento, marcada pelo uso legitimado da escravidão.



  
3. (Uerj 2009)  (...) Minuciosas até o exagero são as descrições das operações manuais de Robinson: como ele escava a casa na rocha, cerca-a com uma paliçada, constrói um barco (...) aprende a modelar e a cozer vasos e tijolos. Por esse empenho e prazer em descrever as técnicas de Robinson, Defoe chegou até nós como o poeta da paciente luta do homem com a matéria, da humildade e grandeza do fazer, da alegria de ver nascer as coisas de nossas mãos. (...) A conduta de Defoe é, em Crusoé (...), bastante similar à do homem de negócios respeitador das normas que na hora do culto vai à igreja e bate no peito, e logo se apressa em sair para não perder tempo no trabalho.
            ÍTALO CAlVINO. "Por que ler os clássicos". São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

Daniel Defoe, no romance Robison Crusoé, deixa transparecer a influência que as ideias liberais passaram a exercer sobre o comportamento de parcela da sociedade europeia ainda no século XVIII.
Com base no fragmento citado, identifique um ideal liberal expresso nas ações do personagem Robinson Crusoé. Em seguida, explicite como esse ideal se opunha à organização da sociedade do Antigo Regime.


Resposta:

Um dos ideais e sua respectiva explicação:
- Individualismo: com o individualismo, os liberais criticam a sociedade do Antigo Regime, que colocava a razão do Estado à frente das necessidades dos indivíduos, privilegiando determinados grupos por sua origem ou nascimento em detrimento de suas habilidades ou competências.
- Valorização do trabalho independentemente de sua natureza: a dignificação de todo tipo de trabalho se contrapunha ao caráter estamental da sociedade do Antigo Regime, de acordo com o qual determinadas ocupações eram indignas dos membros dos estamentos privilegiados.



  
4. (Uerj)                        Quilombo, o eldorado negro

Existiu
Um eldorado negro no Brasil
Existiu
Como o clarão que o sol da liberdade produziu
Refletiu
A luz da divindade, o fogo santo de Olorum
Reviveu
A utopia um por todos e todos por um

Quilombo
Que todos fizeram com todos os santos zelando
Quilombo
Que todos regaram com todas as águas do pranto
Quilombo
Que todos tiveram de tombar amando e lutando
Quilombo
Que todos nós ainda hoje desejamos tanto

Existiu
Um eldorado negro no Brasil
Existiu
Viveu, lutou, tombou, morreu, de novo ressurgiu
Ressurgiu
Pavão de tantas cores, carnaval do sonho meu
Renasceu
Quilombo, agora, sim, você e eu
Quilombo

Quilombo
Quilombo
Quilombo
            (Gilberto Gil e Wally Salomão - 1983)

A letra da música acima faz referência a uma das formas de resistência escrava - a criação de quilombos - verificada tanto no Brasil colonial quanto após a independência. Explique por que os quilombos representaram um avanço na luta dos cativos contra seus senhores, ao longo do século XIX, e indique duas outras formas de resistência escrava.


Resposta:

Por facilitar a sobrevivência de um grande número de escravos fugidos, e por utilizar táticas de ataques às propriedades próximas, representavam uma forma mais eficiente de resistência, atraindo, portanto, mais escravos e provocando medo entre os grandes proprietários.

Duas das formas:
- suicídio
- infanticídio
- assassinato de feitores/senhores
- aborto das escravas
- destruição dos meios de produção das propriedades
- automutilação



  
5. (Uerj)            "Possa este, para sempre memorável dia, ser celebrado com universal júbilo por toda a América Portuguesa, por uma dilatada série de séculos, como aquele em que começou a raiar a aurora da felicidade, prosperidade e grandeza, a que algum dia o Brasil se há de elevar, sendo governado de perto pelo seu soberano. Sim, nós já começamos a sentir os saudáveis efeitos da paternal presença de tão ótimo príncipe, que [...] nos deu as mais evidentes provas, que muito alentam as nossas esperanças, de que viera ao Brasil a criar um grande Império."
            Luís Gonçalves dos Santos
            "Memórias para servir à História do reino do Brasil". Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, São Paulo: EDUSP, 1981.

O texto acima revela o entusiasmo e as esperanças daqueles que assistiram à chegada da família real portuguesa ao Brasil. Indique duas inovações de caráter científico ou cultural decorrentes da política de D. João. Indique também uma mudança política ou econômica observada durante a permanência da Corte e sua respectiva consequência para o Brasil.


Resposta:

Duas das inovações:
- Biblioteca Real, atual Nacional
- Academia Real Militar
- Impressão Régia
- Gazeta do Rio de Janeiro
- aulas de Comércio
- Real Horto, atual Jardim Botânico
- Intendência de Polícia
- vinda da Missão Artística Francesa

Uma das mudanças e sua respectiva consequência:
- abertura dos portos às nações amigas - rompimento com o pacto colonial
- assinatura dos tratados de 1810 com a Inglaterra - aprofundamento da influência comercial britânica
- elevação do Brasil a Reino Unido - fim do status de colônia da América Portuguesa
- estabelecimento do Rio de Janeiro como capital do Império luso-brasileiro - inversão de papéis entre Portugal e Brasil



  
6. (Uerj)  Alan Greenspan, ex-presidente do Banco Central dos Estados Unidos, ao comentar a recente turbulência econômica que abalou os principais mercados financeiros mundiais no mês de agosto, afirmou que tendemos a pensar que os mesmos fatores regem tanto a expansão quanto a retração do mercado. "A fase de expansão da economia é bastante diferente, e o medo como suporte,  como ocorre atualmente, é muito mais potente do que a euforia."
            (Adaptado do "Jornal de Brasília", 08/09/2007)

Euforia e medo são elementos que já se fizeram presentes em outras crises econômicas mundiais, como a Grande Depressão de 1929 e seus desdobramentos na América Latina. Aponte duas características da conjuntura econômica mundial de 1929 que possibilitaram a Grande Depressão e indique um desdobramento deste processo na Argentina.


Resposta:

Duas das características:
- crescimento econômico dos países capitalistas sem sustentação na produção
- especulação financeira nas bolsas de valores
- dependência financeira da Europa em relação aos EUA
- aumento gradativo do desemprego em todas as áreas de produção
- forte dependência em relação aos bancos por parte dos setores produtivos
- crescimento desordenado da produção, com presença de fontes de estrangulamento

Um dos desdobramentos:
- enfraquecimento do comércio externo
- diminuição das exportações de gêneros agropecuários
- crescimento de uma indústria de transformação destinada ao consumo local
- controle estatal de câmbio
- tentativas do Partido Radical de apropriar-se das bases do poder
- tentativas do Partido Radical em afastar do poder as oligarquias dominantes



  
7. (Uerj)  O Pan-americanismo em Jogo

Maior evento esportivo das Américas, os Jogos do Pan simbolizam um ideal de integração desde
o século XIX.
            Adaptado de "Revista de História da Biblioteca Nacional". N0. 22, 2007

Entre o sonho de cooperação continental formulado por Simon Bolívar e expresso no Congresso do Panamá em 1826 e a reunião da 3a Conferência Pan-americana no Rio de Janeiro em 1906, o significado de pan-americanismo e a posição brasileira em relação ao mesmo modificaram-se em função de diferentes conjunturas históricas. Estabeleça uma diferença entre o contexto continental em que ocorreram o Congresso do Panamá e a 3a Conferência Pan-americana. Estabeleça, ainda, uma diferença na posição do governo brasileiro em relação a essas duas reuniões.


Resposta:

Uma das diferenças no contexto continental:
- No período do Congresso do Panamá havia o temor de uma intervenção da Santa Aliança; durante 3a Conferência Pan-Americana, o temor relacionava-se a possibilidade de intervenção pelos EUA ("Big Stick").
- No período do Congresso do Panamá havia a perspectiva da formação de uma confederação dos Estados Hispano-Americanos; no contexto da 3a Conferência Pan-Americana, esta possibilidade tornava-se cada vez mais remota (separação politica do Panamá em relação a Colombia).
- Durante o Congresso do Panamá houve uma participação mais significativa de lideranças hispano-americanas; ja na 3a Conferência Pan-Americana, evidenciavam-se os interesses dos EUA

Uma das diferenças na posição do governo brasileiro:
- No Congresso do Panamá, o governo imperial não enviou representantes; ja a 3a Conferência Pan-Americana teve como sede o Brasil.
- Durante o Congresso do Panamá, o governo imperial temia críticas quanto a sua política externa no Prata; já durante a 3a Conferência Pan-Americana, o governo republicano brasileiro busca papel de liderança entre os países sul-americanos.
- Durante o Congresso do Panamá, o Brasil demonstrava um relativo desinteresse quanto a questão da integração continental. A situação se modifica, no periodo da 3a Conferência Pan-Americana, por conta da alternância na política externa brasileira: Europa  Estados Unidos.



  
8. (Uerj)  "Veja, se eu sair à rua e disser ao primeiro homem que encontrar 'siga-me', ele me seguirá."
            (Juan Facundo Quiroga)

A frase, do general e político argentino do século XIX, traduz muito bem o caráter do caudilhismo, que marcou a vida política das ex-colônias espanholas na América após os processos de emancipação.
Estabeleça a relação existente entre o fracionamento político-territorial das colônias espanholas na América após suas independências e o surgimento do caudilhismo. Em seguida, indique um fator econômico ou social que explique a constituição desse fenômeno na região.


Resposta:

As disputas pelo poder empreendidas por lideranças locais e regionais, interessadas em afirmar e ampliar sua autonomia, contribuíram diretamente para a fragmentação político-territorial que se verificou no Império espanhol na América à época das independências. O fenômeno do caudilhismo encontra-se na base de uma tensão entre centralização/descentralização que marcou a história dos Estados americanos de colonização hispânica ao longo do século XIX e influiu, inclusive, em posteriores secessões. 

Um dentre os fatores:
            - econômicos
 exploração excessiva da mão de obra
 permanência do domínio da grande propriedade
 estrutura econômica baseada na exportação de gêneros primários
            -sociais
concentração de renda e riquezas
manutenção da desigualdade social existente no período colonial
estabelecimento de uma sociedade caracterizada por grande exclusão e hierarquização social



  
9. (Uerj)  Veja ilustre passageiro o belo tipo faceiro
que o senhor tem ao seu lado.
E no entanto, acredite,
quase morreu de bronquite,
salvou-o o Rum Creosotado.

Rimas como essas se encontravam em todo bonde que circulava no Rio de Janeiro no início do século XX. Apesar de terem caído em desuso na cidade há mais de quarenta anos, os bondes permanecem como parte da memória de muitos que, em sua infância e juventude, utilizaramnos como meio de transporte.
Demonstre a relação entre o crescimento urbano da cidade do Rio de Janeiro na segunda metade do século XIX e a introdução dos bondes.


Resposta:

Sendo um dos primeiros meios de transporte coletivo a ser empregado na cidade, o bonde desempenhou um papel fundamental no processo de alargamento do espaço urbano, pois foi através dele que a ocupação estendeu-se para além da Cidade Velha, contribuindo para a aceleração da ocupação de regiões da atual Zona Norte, como a Tijuca, e para a promoção do povoamento de regiões da atual Zona Sul, até então pouco habitadas, como Copacabana e o Jardim Botânico.



  
10. (Uerj)  As grandes navegações dos séculos XV e XVI possibilitaram a exploração do Oceano Atlântico, conhecido, à época, como Mar Tenebroso. Como resultado, um novo movimento penetrava nesse mundo de universos separados, dando início a um processo que foi considerado por alguns historiadores uma primeira globalização e no qual coube aos portugueses e espanhóis um papel de vanguarda.
a) Apresente o motivo que levou historiadores a considerarem as grandes navegações uma primeira globalização.
b) Aponte dois fatores que contribuíram para o pioneirismo de Portugal e Espanha nas grandes navegações.


Resposta:

a) O estabelecimento de intercâmbios - econômicos e culturais - da Europa com povos isolados da África, da Ásia e da América.

b) Dois dentre os fatores:
- guerras de reconquista
- vocação marítima da Península Ibérica
- posição geográfica da Península Ibérica
- vanguardismo ibérico no campo náutico
- afluxo de capitais para a Península Ibérica
- proximidade em relação à Península Itálica
- processo de centralização da coroa portuguesa e espanhola



  
11. (Uerj)  [O Brasil era] a morada da pobreza, o berço da preguiça, o teatro dos vícios.
            (VILHENA, Luís dos Santos. "A Bahia no século XVIII". Bahia: Itapuã, 1969.)

A avaliação acima, feita por um português do final do século XVIII, aponta alguns traços da sociedade do Brasil colonial, permitindo inferir que, ao lado dos ricos proprietários de terra, existiam grupos marginalizados.

a) Indique dois grupos sociais que constituíam os marginalizados da sociedade colonial.
b) Descreva o papel desempenhado pelos grandes proprietários de terra na vida política e administrativa do Brasil colonial.


Resposta:

a) Dois dentre os grupos sociais:
- vadios
- judeus
- ciganos
- escravos
- prostitutas
- libertos ou forros
- homens livres pobres

b) Os grandes proprietários de terra, por controlarem os cargos preponderantes na vida administrativa local, votavam e podiam votar nas Câmaras Municipais.



  
12. (Uerj)  Que os tiranos de todos os países, que todos os opressores políticos ou sagrados saibam que existe um lugar no mundo onde se pode escapar aos seus grilhões, onde a humanidade desonrada reergueu a cabeça; (...); onde as leis não fazem mais que garantir a felicidade; onde (...) a consciência deixou de ser escrava (...).
            (RAYNAL (abade). "A Revolução da América". Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1993.)

A posição apresentada pelo abade Raynal sintetiza alguns aspectos da ilustração política.

a) A partir do texto, indique, com suas próprias palavras, dois princípios do pensamento iluminista.
b) Para o autor do texto, a independência das treze colônias inglesas foi um processo revolucionário, razão pela qual denomina-a de Revolução Americana.
Cite e explique um fator que contribuiu para essa Revolução.


Resposta:

a) Dois dentre os princípios:
- tolerância religiosa
- liberdade de expressão
- condenação à escravidão
- liberdade de pensamento
- crítica ao governo absoluto

b) Um dentre os fatores e sua respectiva explicação:
- Imposição de novos impostos por parte da Inglaterra às colônias americanas. Os colonos consideravam que apenas suas assembleias coloniais tinham de consentir a cobrança de qualquer novo imposto.
- Fim da "negligência salutar". A perda de autonomia dos colonos constituiu-se em um empecilho para a continuação do desenvolvimento das elites das colônias.
- As ideias de liberdade oriundas do pensamento da Ilustração. As ideias de liberdade levaram os colonos a questionar a aplicação do pacto colonial.
- Insatisfação dos colonos em relação à Linha da Proclamação Régia. Por meio desta a Coroa Inglesa estabelecia o monopólio sobre as terras obtidas em decorrência do Tratado de Paris.



  
13. (Uerj)  Mas nossa maior força é o povo venezuelano. É a consciência política. (...) Eu não sou nada. Sou, quando muito, um instrumento dessa grande revolução bolivariana. É fundamental a organização popular. Simón Rodríguez (...) dizia: "A força material está na massa e a força moral no movimento da massa". (Entrevista de Hugo Chavez ao jornal argentino "O Clarín".)
            (http://www.unidadepopular.org)

A história política da Venezuela nos últimos anos tem sido bastante tumultuada. Seu atual presidente, Hugo Chavez, vem enfrentando uma forte oposição tanto interna quanto externa, em especial do governo dos EUA. O ideal do "bolivarismo" e a proximidade entre Chavez e as camadas mais pobres são vistos, pela população do país e por analistas estrangeiros, ora como expressão de seu caráter democrático, ora como evidência de seu caráter demagógico e autoritário.

a) Um ponto comum aos discursos de Bolívar e de Chavez é a ênfase dada ao pan-americanismo. Explique o significado desse ideal.
b) Cite dois motivos pelos quais o governo de Chavez é visto como ameaça aos interesses norte-americanos.


Resposta:

a) Construção de uma unidade entre as nações latino-americanas, a fim de garantir sua efetiva soberania em face das ameaças tanto de natureza político-militar quanto econômica.

b) Dois dentre os motivos:
- mudanças realizadas na política petrolífera, impondo maior controle do Estado no setor
- aproximação com o governo cubano, por meio de programas de alfabetização em massa e de médicos populares
- identificação das metas de Chavez com uma política socialista, o que aproximaria a Venezuela da esfera cubana
- discurso de Hugo Chavez francamente anti-americano e crítico em relação às posições dos EUA frente às nações latino-americanas
- programa de transformação social e de redistribuição de riquezas, com reforma agrária e concessão de microcrédito para os pequenos proprietários, interferindo no controle de grandes empresas do setor, inclusive norte-americanas



  
14. (Uerj)  Em fevereiro de 2004, o Haiti foi manchete de jornais e revistas, em função da saída de seu primeiro presidente eleito de forma direta, Jean-Bertrand Aristide, frente à crescente oposição interna. A história de lutas no Haiti começou, no entanto, no final do século XVIII, quando ocorreram os primeiros movimentos de resistência à dominação francesa. Somente em 1804, após mais de dez anos de conflitos, essa colônia conquistou sua independência, passando a se chamar Haiti.

a) Identifique o episódio da conjuntura internacional que influenciou, em agosto de 1791, no Haiti, o levante contra a dominação dos franceses e justifique sua resposta.
b) Aponte a característica que distinguiu o processo de independência do Haiti do das outras colônias americanas e um reflexo dessa característica sobre as elites brasileiras da primeira metade do século XIX.


Resposta:

a) Revolução Francesa. Ao proclamar a igualdade de direitos entre os cidadãos, a Revolução Francesa não incluiu, entre estes, os habitantes de suas colônias, mantendo a escravidão.

b) Liderança dos escravos na condução do processo de independência.
Um dentre os reflexos:
- temor de que a luta pela independência significasse o término da escravidão
- aliança entre os proprietários de terra e o herdeiro do trono português por medo de uma rebelião escrava



  
15. (Uerj)  DISCURSO À CÂMARA DOS DEPUTADOS DE PARIS
No momento em que estamos, creio que dormimos sobre um vulcão (...). Não ouvis então, por uma espécie de intuição instintiva que não se pode analisar, mas que é certa, que o solo treme de novo na Europa? Não ouvis então ... como direi? ... um vento de revolução que paira no ar?
29 de janeiro de 1848
(TOCQUEVILLE, A. Lembranças de 1848. As jornadas revolucionárias em Paris. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.)

As palavras de Tocqueville concretizaram-se ao longo do ano de 1848, marcado por uma série de revoluções que agitaram não só a Europa, como também a América.
Em relação a este ano, identifique:
a) duas condições relacionadas às camadas populares que contribuíram para a eclosão das revoluções na França;
b) um movimento revolucionário ocorrido no Brasil, apontando um fator para sua eclosão.


Resposta:

a) O desemprego e as precárias condições de vida e trabalho das populações urbanas, associados ao sistema eleitoral censitário, levou à mobilização de líderes socialistas como Louis Blanc e Ledru-Rollin a difundirem através dos "banquetes" campanhas visando reformas políticas e sociais e críticas ao governo de Luis Felipe, o "Rei Burguês". A proibição aos banquetes em fevereiro de 1848 deu início às revoltas que resultaram na deposição do rei e na instalação da Segunda República da França, sob o governo provisório que congregava liberais e socialistas.

b) No Brasil em 1848, teve início em Pernambuco a Revolução Praieira que se estendeu até 1850. Entre as causas para eclosão do movimento, podemos identificar a concentração fundiária nas mãos de uma reduzida aristocracia representada pela família Cavalcanti e as más condições de vida das populações urbanas de Recife em razão do domínio de portugueses no comércio.
       As revindicações como garantia do trabalho e nacionalização do comércio, expressas no "Manifesto ao Mundo", publicado em 1848, dão a dimensão das razões do movimento. 

Link para questões de língua portuguesa: http://praticandoalinguaportuguesananet.blogspot.com.br/

Um comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

HOTWORDS

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Follow by Email

Textos relacionados