Loading...

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Questões discusivas com gabarito sobre a Regência e o 2º reinado


1. (Fuvest 2009)  Sobre o impacto da Guerra do Paraguai na sociedade brasileira.

Explique:
a) o impacto social da guerra para o Brasil;
b) explique seus  desdobramentos políticos para o Império.
  
2. (Ufc 2009)  Leia o texto a seguir.

Não há sombra de dúvidas sobre o papel central desempenhado pelos muçulmanos na rebelião de 1835. Os rebeldes - ou uma boa parte deles - foram para as ruas com roupas usadas na Bahia pelos adeptos do islamismo. No corpo de muitos dos que morreram a polícia encontrou amuletos muçulmanos e papéis com rezas e passagens do Qur'ãn usados para proteção.
            REIS, João José. "Rebelião escrava no Brasil". São Paulo: Companhia das Letras, 2003, p. 158.

Considerando os fatos descritos no episódio acima e o tema do islamismo, responda o que se pede a seguir.

a) Por qual nome ficou conhecida a rebelião de que trata o texto?

b) A imigração forçada de africanos ao Brasil trouxe para trabalhar como escrava uma população de diversas etnias, que pode ser englobada genericamente em dois grupos bastante distintos, com claras diferenciações culturais e linguísticas.
I. De qual desses dois grupos se originou a maior parte dos africanos islamizados?
II. De qual área geográfica da África esse grupo procede?

c) Como ocorreu a propagação da religião islâmica entre as populações da região africana citada acima?
  
3. (Unicamp 2007)  Iniciada como conflito entre facções da elite local, a Cabanagem, no Pará (1835-1840), aos poucos fugiu ao controle e tornou-se uma rebelião popular. A revolta paraense atemorizou até mesmo liberais como Evaristo da Veiga. Para ele, tratava-se de gentalha, crápula, massas brutas. Em outras revoltas, o conflito entre elites não transbordava para o povo. Tratava-se, em geral, de províncias em que era mais sólido o sistema da grande agricultura e da grande pecuária. Neste caso está a revolta Farroupilha, no Rio Grande do Sul, que durou de 1835 a 1845.
            (Adaptado de José Murilo de Carvalho. "A construção da ordem: a elite imperial. Teatro de sombras: a política imperial". Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. p. 252-253.)

a) Segundo o texto, o que diferenciava a Cabanagem da Farroupilha?
b) Quais os significados das revoltas provinciais para a consolidação do modelo político imperial?
c) O que levava as elites agricultoras e pecuaristas a se rebelarem contra o poder central do Império?
  
4. (Fgv 2007)  Em torno de dois grandes rios, Uruguai e Paraguai, quatro nações dividiam fronteiras: Brasil, Uruguai, Argentina e Paraguai. Nesse terreno, quatro contendores aplicavam-se bem em desempenhar o complicado jogo das fronteiras. Em questão, estavam, além do acesso à livre navegação da bacia platina, a hegemonia na região e os diferentes processos por que passavam os Estados nacionais envolvidos.
            (Lilia Schwartz, "As barbas do Imperador".)

O texto registra algumas questões que estiveram na origem de uma das mais importantes disputas militares entre países sul-americanos no século XIX: a Guerra do Paraguai (1864-1870).
A partir dessas informações, EXPLIQUE dois motivos do envolvimento do Império do Brasil nesse conflito.
  
5. (Unicamp 2006)  Em 1910, o crítico literário Sílvio Romero escreveu sobre a década de 1870. Em sua perspectiva, alguns acontecimentos teriam feito surgir uma nova geração de intelectuais brasileiros engajados no que ele considerava como pensamento moderno. Para o autor, a Guerra do Paraguai mostrara os defeitos de nossa "organização militar e o acanhado de nossos progressos sociais, desvendando repugnantemente a chaga da escravidão".
            (Adaptado de Ronaldo Vainfas (dir.), "Dicionário do Brasil Imperial". Rio de Janeiro: Objetiva, 2002, p. 309.)

a) Cite uma característica da geração de intelectuais de 1870.
b) Explique de que maneira a Guerra do Paraguai "desvendava a chaga da escravidão".
c) Indique duas formas de engajamento dos intelectuais abolicionistas.
  
6. (Ufrrj 2006)  "O Acontecimento mais sério de que o Brasil participou na América Latina foi também na América Meridional envolvendo o Paraguai fortemente militarizado e Solano Lopez contra a Tríplice Aliança (Brasil, Argentina e Uruguai). Conflito sangrento iniciado em 1865, só terminou cinco anos depois com a derrota do Paraguai".
            (José Ribeiro Jr. 'O Brasil Monárquico em face das Repúblicas Americanas'. In: Motta, Carlos Guilherme (org.). "Brasil em Perspectiva". São Paulo: DIFEL, 1968.

a) Aponte duas razões para a eclosão da "Guerra do Paraguai".
b) Explique uma consequência da guerra para a vida política do Império brasileiro.
  
7. (Ufu 2006)     A "estabilidade" do Segundo Reinado e a consolidação de um Estado nacional dependente mal esconderam tumultos, conflitos, levantes e movimentos revolucionários, como a Cabanagem, a Praieira, a Farroupilha, que seriam, cada um a seu tempo, fatigados pelos mecanismos políticos e culturais criados nessa longa história de formação do patronato politico brasileiro, detentor da ideia desmobilizadora de um Brasil "estável", unido, denso.
            Adaptado de MOTA, C. Guilherme. Ideias de Brasil. In: "Viagem Incompleta. Experiência Brasileira (1500-2000)". Formação: histórias. São Paulo: SENAC, 2000, p. 236.

A partir das afirmações transcritas, responda:
a) Que motivações foram comuns aos conflitos e movimentos revolucionários ocorridos no periodo Regencial no Brasil?
b) Que aspectos diferenciam a Revolta dos Malês, ocorrida na Bahia, dos outros movimentos do mesmo período?
c) Cite duas medidas tomadas pelo governo imperial brasileiro, a partir do 20. Reinado, diante das revoltas que vinham ocorrendo desde o periodo regencial.
  
8. (Ufrrj 2005)  O texto a seguir refere-se ao período da política regencial no Brasil .

A Câmara que se reunia em 1834 trazia poderes constituintes para realizar a reforma constitucional prevista na lei de 12 de outubro de 1832. De seu trabalho resultou o Ato Adicional publicado a 12 de agosto de 1834 (...) O programa de reformas já fora estabelecido na lei de 12 de outubro, o Senado já manifestara sua concordância em relação ao mesmo e só havia em aberto, questões de pormenor. No decorrer das discussões poder-se-ia fixar o grau maior ou menor das autonomias provinciais, mas já havia ficado decidido que não se adotaria a monarquia federativa, o que marcava como que um teto à ousadia dos constituintes.
            CASTRO, P. P. de. A experiência republicana, 1831-1840. In: HOLANDA, S. B. de. "História Geral da Civilização Brasileira." v. 4. São Paulo: Difel, 1985, p. 37.

a) Cite duas reformas instituídas pelo Ato Adicional de 12 de agosto de 1834.
b) Aponte a razão pela qual se costuma dizer que a Regência correspondeu a uma "experiência republicana".
  
9. (Ufrj 2004)  "Ficou célebre uma frase atribuída ao político pernambucano Holanda Cavalcanti:

- Nada se assemelha mais a um 'saquarema' do que um 'luzia' no poder.

'Saquarema', nos primeiros anos do Segundo Reinado, era o apelido dos conservadores [...] 'Luzia' era o apelido dos liberais [...] A ideia de indiferenciação dos partidos parecia também confirmar-se pelo fato de ser frequente a passagem de políticos de um campo para o outro"
Fonte: Fausto, Boris. Histórias do Brasil. São Paulo, Edusp, 1995, p. 180

O texto dá conta de algumas características das correntes políticas que predominavam no Segundo Reinado (1840-1889).
a) Identifique um aspecto comum e outro divergente entre as correntes políticas mencionadas no texto.
b) Explique uma diferença entre a experiência parlamentarista brasileira do Segundo Reinado e o modelo liberal inglês da mesma época.
  
10. (G1 1996)  Há diferenças nas tendências políticas entre Liberais e Conservadores? Explique.
  
11. (G1 1996)  As revoltas durante o Período Regencial, receberam  denominações diferentes. Complete o nome das revoltas:

LOCALIDADES                                    REVOLTAS

Grão-Pará                                            _____________________________

Maranhão                                            _____________________________

Bahia                                                   _____________________________

Rio Grande do Sul                    _____________________________
  
12. (Ufpr 1991)  "O novo Imperador é um conhecedor e admirador das formas de governo liberais da Europa. Procura seguir as regras do parlamentarismo inglês, que já estavam sendo seguidas por outros países. Com o correr do tempo, a alternância dos partidos vai adquirir uma certa regularidade".
            (LACOMBE, Américo J. HISTÓRIA DO BRASIL. São Paulo, Ed. Nacional, 1979. p.169.)

O texto refere-se à política do Segundo Reinado, com D. Pedro II, cujas linhas gerais são bem definidas por sua regularidade. Procure definir tais linhas, indicando os partidos políticos envolvidos e o papel político do Imperador.
 
Gabarito:  

Resposta da questão 1:
 a) A ilustração refere-se à contradição existente entre a continuidade da escravidão e a participação dos escravos em defesa da pátria na Guerra do Paraguai.

b) A Guerra do Paraguai contribuiu para o declínio do Império por contribuir para a promoção dos ideais abolicionistas e republicanos no Brasil. Acrescenta-se ainda que o fortalecimento do Exército Brasileiro em decorrência da guerra, levou vários oficiais a se envolver na vida política aderindo ao republicanismo.  

Resposta da questão 2:
 O episódio descrito no texto ficou conhecido como a Revolta dos Malês, que teve a participação de uma maioria de negros muçulmanos. Os africanos trazidos ao Brasil entre os séculos XVI e XIX procederam de duas grandes regiões distintas. Os povos sudaneses, que desembarcaram em maior quantidade na Bahia, eram provenientes da África Ocidental, da grande região do Golfo da Guiné ou Costa da Mina ou, ainda, Costa do Ouro, onde atualmente se localizam Gana, o Benin, a Nigéria e a Guiné, entre outros países. Na Bahia, a maioria dos negros sudaneses islamizados pertencia às populações haussás, e também àquela dos nagôs ou iorubá. Já os povos bantos eram provenientes das atuais regiões do Congo e de Angola. A islamização de populações habitantes da África negra norte-ocidental foi feita a partir do século XI pelo contato delas com os mercadores árabes e berberes, viajantes através do deserto do Saara, principalmente pela rota de Tombuctou. Essas incursões islâmicas provocaram a desagregação do antigo Império de Ghana. No século XVI, início do tráfico de escravos para o Brasil, era o Reino Songai, o atual estado do Mali (daí uma das possibilidades para a origem do termo "malê"), que dominava todo o vale do rio Niger, região original das populações islâmicas (principalmente haussás e nagôs) que chegaram ao Brasil.  

Resposta da questão 3:
 a) A Cabanagem foi uma revolta de caráter popular, realizada pelas camadas despossuídas, representadas pelos cabanos, populações ribeirinhas do Pará. Já a Revolução Farroupilha teve caráter elitista, por ter sido conduzida pelos estancieiros ligados à grande propriedade rural.

b) As revoltas provinciais puseram em risco a unidade do Brasil, na medida em que representaram a defesa de interesses localizados, representados pelas proposições federalistas e/ou separatistas presentes nos movimentos. Assim sendo, a derrota desses movimentos significou a consolidação do centralismo/unitarismo e dos interesses da aristocracia fundiária e escravista que marcaram a política do Segundo Reinado.

c) Essas elites provinciais rebelavam-se fundamentalmente contra o excessivo centralismo do Império, pois aspiravam à autonomia de suas províncias. No caso da Revolução Farroupilha, deve-se acrescentar o descontentamento com as altas taxas cobradas sobre o charque e outros produtos sul-rio-grandenses.  

Resposta da questão 4:
 A participação do Império do Brasil na Guerra do Paraguai foi motivada por fatores como a defesa "da integridade do território brasileiro" diante da invasão paraguaia, o interesse do Império do Brasil "em terminar com os problemas em sua fronteira sul" e assegurar "os interesses políticos e econômicos do país na região do Prata".  

Resposta da questão 5:
 a) Muitos intelectuais adotaram ideais  abolicionistas e republicanos, contestando as estruturas do regime imperial.

b) A participação de negros no exército brasileiro na Guerra do Paraguai, associada ao fato de os parceiros da Tríplice Aliança, Uruguai e Argentina não terem escravos, despertou entre os militares e segmentos intelectualizados a consciência da escravidão como uma instituição abominável, vindo a fortalecer as campanhas abolicionistas.

c) A organização de associações abolicionistas, o apoio às fugas de escravos e a publicação de artigos abolicionistas na imprensa, constituiam as principais formas de engajamento de intelectuais nas campanhas e movimentos pelo fim da escravidão no Brasil.  

Resposta da questão 6:
 a) As disputas pela navegação nos rios da bacia platina; a existência de territórios fronteiriços em litígio; as alianças e contra-alianças entre os países da região (a intervenção do Brasil na política interna do Uruguai, apoiando o Partido Colorado em oposição ao Blanco; a aproximação entre Brasil e Argentina de Mitre e o isolamento político do Paraguai de Solano López)

b) O fortalecimento da identidade nacional, através dos voluntários e a valorização do hino e da bandeira imperiais; a consolidação do Exército brasileiro, até então desprestigiado frente ao poder da Guarda Nacional; o avanço da questão abolicionista pelo emprego de libertos e escravos na guerra.  

Resposta da questão 7:
 a)
- a indiferença dos governos regenciais frente às demandas regionais, apesar da aprovação do Ato Adicional de 1834 que instaurou uma espécie de "federalismo" na monarquia.
- a acentuada crise econômica que atingia os produtos tradicionais da economia brasileira, incluindo o charque gaúcho.

b) Durante as primeiras décadas do século XIX várias rebeliões de escravos explodiram na província da Bahia. A mais importante delas foi a dos Malês, uma rebelião de caráter racial, contra a escravidão e a imposição da religião católica, que ocorreu em Salvador, em janeiro de 1835. Nessa época, a cidade de Salvador tinha cerca de metade de sua população composta por negros escravos ou libertos, das mais variadas culturas e procedências africanas, dentre as quais a islâmica, como os haussas e os nagôs. Foram eles que protagonizaram a rebelião, conhecida como dos "malê", pois este termo designava os negros muçulmanos, que sabiam ler e escrever o árabe. Sendo a maioria deles composta por "negros de ganho", tinham mais liberdade que os negros das fazendas, podendo circular por toda a cidade com certa facilidade, embora tratados com desprezo e violência. Alguns, economizando a pequena parte dos ganhos que seus donos lhes deixavam, conseguiam comprar a alforria.

c)
- A aprovação da Lei Interpretativa do Ato Adicional em 1840 que, entre outras, restaurou o Conselho de Estado e acabou com a relativa autonomia das províncias e suas assembleias. Entretanto, as resistências em relação às mudanças fizeram com que essas discussões durassem quase três anos, a ponto de que somente em maio de 1840 se deu a aprovação da lei de Interpretação do Ato Adicional e a reforma do Código do Processo Criminal só foi aprovada em dezembro de 1841.
- A dura repressão desencadeada sobre as revoltas da Cabanagem (30 mil mortos) e da Balaiada, enquanto o movimento da Farroupilha, de base elitista, mereceu uma negociação onde em 1845 Caxias firmou com Davi Canabarro a Paz do Ponche Verde. Encerrava-se a Revolta dos Farrapos. O acordo de paz foi muito vantajoso para os farroupilhas: anistia aos revoltosos; integração dos oficiais rebeldes ao Exército Imperial com suas patentes; liberdade para os escravos que haviam participado da guerra; taxação sobre o charque platino importado; pagamento pelo Império das dívidas da guerra e indicação pelos farrapos do presidente de sua Província.  

Resposta da questão 8:
 a) Extinção do Conselho de Estado, substituição da Regência Trina pela Regência Una, criação de Assembleias Legislativas nas províncias.

b) Maior autonomia provincial durante o período, conferida, sobretudo pela criação de Assembleias provinciais, mas também a renovação periódica do Regente, por meio de votação.

O governo regencial representou uma vitória dos liberais moderados, que avançaram algumas propostas descentralistas de governo. Mas apesar de derrotados, algumas das propostas dos exaltados foram ao menos parcialmente contempladas. Entre elas está a autonomia provincial. Ora, o modelo de república que estes exaltados tinham na cabeça era precisamente o modelo americano, que punha uma ênfase forte na autonomia das unidades federativas. Assim, apesar de não se tratar de uma federação, tal como a americana, alguns autores têm falado em "experiência republicana" para se referir a algumas das conquistas dos exaltados/republicanos durante a Regência, inclusive o autor citado, Paulo P. de Castro.  

Resposta da questão 9:
 a) Do ponto de vista ideológico, os partidos liberal e conservador não apresentavam diferenças significativas, sendo suas contendas restritas à luta pela posse do poder e com ele o acesso a prestígio e benefícios.
      Como  diferença, os liberais defendiam o fortalecimento do poder da Câmara dos Deputados. Já os conservadores, defendiam restrições às liberdades e ao exercício da cidadania.

b) No Brasil, o Imperador indicava o Presidente do Conselho de Ministros, cargo equivalente ao de Primeiro Ministro, ao contrário do modelo inglês em que o Chefe de Governo era escolhido pelo Parlamento. Considere-se também, que o Imperador poderia dissolver a Câmara de Deputados e convocar novas eleições, caso esta não apoiasse o gabinete de preferência do Chefe de Estado. Os poderes do imperador, eram conferidos pelo Poder Moderador.  

Resposta da questão 10:
 Havia um dito popular no Segundo Reinado que dizia: "nada mais conservador do que um liberal, nada mais liberal do que um conservador" pois de fato os dois partidos representavam a mesma classe social, a das oligarquias agrárias.  

Resposta da questão 11:
 Grão-Pará  Cabanagem      
Maranhão  Balaiada
Bahia  Sabinada
Rio Grande do Sul  Farroupilha  

Resposta da questão 12:
 O Imperador exercia o poder moderador e impedia os conflitos dentro da elite dominante através do Parlamentarismo às avessas, onde os partidos Conservador e Liberal se revezavam no poder.  

4 comentários:

  1. Oi Arão
    Aqui é o lyzandro !
    Irei prestar vestibular para jornalismo e procurando questões discursivas referentes ao segundo reinado olha onde vim parar !! rs
    Me ajudou bastante !! obg...

    ResponderExcluir
  2. Olá Lysandro! Muito bom saber que estou te ajudando. Isso me deixa muito feliz! Bons estudos e saiba que estou torcendo pelo seu sucesso.

    ResponderExcluir
  3. Boas questões...copiei algumas...ehehe

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

HOTWORDS

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Follow by Email

Textos relacionados