Google+ Followers

Oriente Médio e Palestina

sábado, 21 de abril de 2018

Proclamação da República, Exército e oligarquias - A gênese do Estado Republicano Brasileiro

Você sabe o significado do golpe militar responsável pela proclamação da República brasileira em 1889? Sabe quais projetos de repúblicas foram propostos e quais os principais grupos que os representavam? Nessa pequeno vídeo falaremos sobre isso.
Vamos à aula de hoje? Para não perder as novidades, inscreva-se no Canal e clique no sino:
https://www.youtube.com/channel/UC23whF6cXzlap-O76f1uyOw/videos?sub_confirmation=1



quinta-feira, 19 de abril de 2018

Brasil Colonial e Primeiro Reinado - Questões com gabarito Comentado

Para não Perder as novidades, inscreva-se no Canal e clique no sino:




1. (Pucrs 2016)  Sobre o período pré-colonial na História do Brasil, é correto afirmar que
a) foi estabelecida a escravidão indígena como forma de exploração do trabalho, devido à ausência de uma atividade econômica que financiasse o tráfico de escravos africanos para o Brasil.   
b) a economia baseou-se na exploração de produtos naturais da terra, que não exigiam o estabelecimento da agricultura para serem extraídos, como o pau-brasil, o cacau e o látex.   
c) promoveu-se a doação de porções da terra recém-descoberta para a aristocracia portuguesa, cujos membros ocupavam os principais cargos na administração pública reinol.   
d) havia desinteresse na colonização imediata do território, tendo em vista que os principais recursos humanos e materiais portugueses estavam voltados para a exploração do rendoso comércio com as Índias.   
e) foram enviadas ao litoral brasileiro as chamadas “expedições guarda-costas”, que visavam vigiar a nova descoberta portuguesa diante da possível invasão holandesa na região.   
  
2. (Espcex (Aman) 2015)  “Os primeiros trinta anos da História do Brasil são conhecidos como período Pré-Colonial. Nesse período, a coroa portuguesa iniciou a dominação das terras brasileiras, sem, no entanto, traçar um plano de ocupação efetiva. […] A atenção da burguesia metropolitana e do governo português estavam voltados para o comércio com o Oriente, que desde a viagem de Vasco da Gama, no final do século XV, havia sido monopolizado pelo Estado português. […] O desinteresse português em relação ao Brasil estava em conformidade com os interesses mercantilistas da época, como observou o navegante Américo Vespúcio, após a exploração do litoral brasileiro, pode-se dizer que não encontramos nada de proveito”.

Berutti, 2004.

Sobre o período retratado no texto, pode-se afirmar que o(a)
a) desinteresse português pelo Brasil nos primeiros anos de colonização, deu-se em decorrência dos tratados comerciais assinados com a Espanha, que tinha prioridade pela exploração de terras situadas a oeste de Greenwich.   
b) maior distância marítima era a maior desvantagem brasileira em relação ao comércio com as Índias.   
c) desinteresse português pode ser melhor explicado pela resistência oferecida pelos indígenas que dificultavam o desembarque e o reconhecimento das novas terras.   
d) abertura de um novo mercado na América do Sul, ampliava as possibilidades de lucro da burguesia metropolitana portuguesa.   
e) relativo descaso português pelo Brasil, nos primeiros trinta anos de História, explica-se pela aparente inexistência de artigos (ou produtos) que atendiam aos interesses daqueles que patrocinavam as expedições.   
  
3. (Espcex (Aman) 2017)  Em 1578, dom Sebastião, rei de Portugal, morre na batalha de Alcácer-Quibir. Sem descendentes, o trono foi entregue a seu tio dom Henrique, que viria a falecer dois anos depois, sem deixar herdeiro. Depois de acirrada disputa, a Coroa portuguesa acabou nas mãos de Filipe II, rei espanhol, dando início à chamada União Ibérica. Com esta união, um tradicional inimigo da Espanha torna-se inimigo de Portugal.

Das opções abaixo, assinale aquele que se tornou inimigo de Portugal.
a) Holanda   
b) Alemanha   
c) Itália   
d) Inglaterra   
e) EUA   
  
4. (Unesp 2017)  Em meados do século o negócio dos metais não ocuparia senão o terço, ou bem menos, da população. O grosso dessa gente compõe-se de mercadores de tenda aberta, oficiais dos mais variados ofícios, boticários, prestamistas, estalajadeiros, taberneiros, advogados, médicos, cirurgiões-barbeiros, burocratas, clérigos, mestres-escolas, tropeiros, soldados da milícia paga. Sem falar nos escravos, cujo total, segundo os documentos da época, ascendia a mais de cem mil. A necessidade de abastecer-se toda essa gente provocava a formação de grandes currais; a própria lavoura ganhava alento novo.

(Sérgio Buarque de Holanda. “Metais e pedras preciosas”. História geral da civilização brasileira, vol. 2, 1960. Adaptado.)


De acordo com o excerto, é correto concluir que a extração de metais preciosos em Minas Gerais no século XVIII
a) impediu o domínio do governo metropolitano nas áreas de extração e favoreceu a independência colonial.   
b) bloqueou a possibilidade de ascensão social na colônia e forçou a alta dos preços dos instrumentos de mineração.   
c) provocou um processo de urbanização e articulou a economia colonial em torno da mineração.   
d) extinguiu a economia colonial agroexportadora e incorporou a população litorânea economicamente ativa.   
e) restringiu a divisão da sociedade em senhores e Escravos e limitou a diversidade cultural da colônia.   
  
5. (Upe-ssa 2 2017)  Em 1808, a família real portuguesa, fugindo do cerco napoleônico, transferiu-se para o Brasil que, de colônia, se tornou sede da monarquia e do vice-reino. Os treze anos durante os quais a corte permaneceu no Rio de Janeiro tiveram grande importância política e econômica e foram seguidos pela declaração de independência do Brasil em 1822.
OLIVEN, Rubem George. “Cultura e modernidade no Brasil”.
In: http://www.scielo.br/pdf/spp/v15n2/8571.pdf (Adaptado).


Uma das principais características socioeconômicas desse período foi a(o)
a) diminuição do fluxo de mercadorias.   
b) início do ciclo econômico da borracha.    
c) abertura dos portos ao comércio exterior.   
d) ampliação das relações bilaterais com os EUA.   
e) elevação do Brasil à condição de protetorado da Inglaterra.    
  
6. (Fac. Albert Einstein - Medicin 2017)  D. João elevou o Brasil à condição de Reino Unido a Portugal e Algarves em 16 de Dezembro de 1815. Essa medida objetivou, entre outros fatores
a) atender a uma exigência das Cortes de Lisboa, de acordo com os princípios liberais da Revolução do Porto.   
b) impedir a ampliação do império francês nas Américas, com as guerras por territórios coloniais extraeuropeus.   
c) apaziguar a elite brasileira do Nordeste, que era favorável à abolição da escravidão e da implementação da república.   
d) legitimar a dinastia de Bragança, de acordo com os princípios restauradores invocados pelo Congresso de Viena.   
  
7. (Uece 2017)  Atente ao seguinte excerto: “[...] Resulta daí que a Independência se fez por uma simples transferência política de poderes da metrópole para o novo governo brasileiro. E na falta de movimentos populares, na falta de participação direta das massas neste processo, o poder é todo absorvido pelas classes superiores da ex-colônia, naturalmente as únicas em contato direto com o regente e sua política. Fez-se a Independência praticamente à revelia do povo; e se isto lhe poupou sacrifícios, também afastou por completo sua participação na nova ordem política. A Independência brasileira é fruto mais de uma classe que da nação tomada em conjunto”.

Caio Prado Jr. Evolução política do Brasil: Colônia e Império. São Paulo: Brasiliense. p. 53.


Na perspectiva de Caio Prado Jr., caracterizam o processo de independência do Brasil os seguintes aspectos:
a) presença de movimentos populares, participação do povo no poder e elitismo.   
b) poder absorvido pelas classes inferiores, independência feita à revelia da elite local e com grandes sacrifícios para o povo que se envolveu no processo.   
c) projeto de toda a nação, afastamento das classes superiores do poder e grande participação popular.   
d) poder nas mãos das classes superiores, ausência de participação do povo e independência feita a partir do interesse de uma classe e não da nação como um todo.   
  
8. (Udesc 2017)  Em 25 de março de 1824, Dom Pedro I outorgou a Constituição Política do Império do Brasil. Em relação à Constituição de 1824, assinale a alternativa correta.
a) O Texto Constitucional foi construído coletivamente pela Câmara de Deputados, votado e aprovado em 25 de março de 1824. Expressava os interesses tanto do partido liberal quanto do partido conservador, para o futuro na nação que recém conquistara sua independência.   
b) A Constituição de 1824 instaurava a laicidade no território nacional, extinguindo a religião católica como religião oficial do império e expressando textualmente que “todas as outras religiões serão permitidas com seu culto doméstico, ou particular em casas para isso destinadas, sem forma alguma exterior do Templo”.    
c) A organização política instaurada pela Constituição de 1824 dividia-se em 4 poderes: Executivo, Legislativo, Judiciário e Moderador, sendo que este último determinava a pessoa do imperador como inviolável e sagrada.   
d) A Constituição de 1824 determinou a cidadania amplificada e o direito ao voto para todos os nascidos em solo brasileiro, independentemente de gênero, raça ou renda.    
e) A Constituição de 1824 promoveu, em diversos artigos, ideais de cunho abolicionista. Tais ideais foram respaldo para movimentos políticos posteriores, tais como a Revolta dos Farrapos e a Revolta dos Malês.   
  
9. (Fmp 2017)  O texto a seguir é um fragmento de decreto de D. Pedro I, de 1823, em que o imperador dissolve a Assembleia Constituinte.

Havendo Eu convocado, como Tinha Direito de convocar, a Assemblea Geral, Constituinte e Legislativa, [...] e havendo esta Assemblea perjurado ao tão solemne juramento, que prestou á Nação [...]: Hei por bem, como Imperador, e Defensor Perpetuo do Brasil, dissolver a mesma Assemblea, e convocar já huma outra na forma das Instruções, feitas para a convocação desta, que agora acaba; a qual deverá trabalhar sobre o Projecto de Constituição, que Eu Hei-de em breve Apresentar; que será duplicadamente mais liberal, do que a extincta Assemblea acabou de fazer.

D. PEDRO I. Decreto de dissolução da Assembleia Nacional Constituinte, em 12 nov. 1823 apud PEREIRA, V. “A longa ‘noite da agonia’”. Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro: SABIN, ano 7, n. 76, jan. 2012, p. 42.


Com base na justificativa do ato político explicitado no texto do decreto, e analisando as suas consequências, identifica-se um antagonismo entre:
a) Monarquia e República   
b) Capitalismo e Socialismo   
c) Imperialismo e Independência   
d) Absolutismo e Liberalismo   
e) Nacionalismo e antilusitanismo   
  
10. (Uern 2015)  Observe o quadro.



A partir da análise do quadro e tendo em vista o contexto do Brasil no I Império, é possível classificar o voto, naquele período, como
a) censitário, amplo, indireto e irrestrito.   
b) universal, masculino, direto e representativo.   
c) censitário, masculino, indireto e em dois graus.   
d) universal, apartidário, direto e em quatro graus.   
 
Gabarito:  

Resposta da questão 1:
 [D]

Somente a alternativa [D] está correta. A questão aponta para o período Pré-Colonial, 1500-1530. A viagem de Vasco da Gama nas Índias em 1498 deu um lucro exorbitante para a nação portuguesa. Assim, o rei de Portugal Dom Manuel “o Venturoso” criou uma expectativa muito grande em relação à viagem de Pedro Alvares Cabral ao Brasil. No entanto, os portugueses não encontraram riqueza fácil, tais como ouro, prata, especiarias, entre outras riquezas. Devido ao grande lucro do comércio das especiarias no Oriente, Portugal deixou o Brasil em segundo plano. Caracterizou este contexto o aproveitamento do pau-brasil através da exploração do trabalho indígena conhecido como escambo.  

Resposta da questão 2:
 [E]

Somente a proposição [E] está correta. A questão remete ao período Pré-Colonial que ocorreu no Brasil entre 1500-1530. As Grandes Navegações que ocorreram ao longo do século XV foram importantes para angariar recursos para os Estados Modernos. Desta forma, já havia dentro destas navegações ideias mercantilistas, ou seja, buscar metais preciosos e especiarias para a Europa. A viagem de Vasco da Gama que chegou às Índias em 1498 foi coroada de êxito dando um lucro exorbitante para Portugal. Assim, foi criada a mesma expectativa quanto a viagem de Cabral ao Brasil em 1500. Conforme relata a Carta de Caminha não havia riqueza no Brasil, ou seja, metais preciosos e especiarias e que o melhor a fazer é a catequese dos índios. O sucesso da viagem de Vasco da Gama e o fracasso da viagem de Cabral explicam o relativo descaso de Portugal em relação ao Brasil priorizando, então, o comércio das especarias no oriente. Daí o período Pré-Colonial.  

Resposta da questão 3:
 [A]

A Holanda era, nos reinados de Carlos I e seu filho Filipe II, uma possessão espanhola. Mas, devido à forma de governo autoritária de Filipe II, a burguesia holandesa promoveu sua luta de independência. Em resposta a isso, Filipe II proibiu todas as possessões espanholas de fazer comércio com a Holanda. Devido à ocorrência da União Ibérica, Portugal e Brasil estavam incluídos nessa proibição.  

Resposta da questão 4:
 [C]

Como destaca Sérgio Buarque de Holanda, a extração de ouro não ocupava nem  da população que vivia nas minas. Segundo o autor, a maior parte da população colonial exercia as mais variadas funções – como mercadores, médicos, clérigos e escravos – e essa população exigia uma infraestrutura que a Colônia teve que suprir – baseada na urbanização e no abastecimento alimentício na região das minas.  

Resposta da questão 5:
 [C]

Somente a alternativa [C] está correta. Fugindo das tropas napoleônicas e com apoio da marinha inglesa, a corte portuguesa foi transferida para o Rio de Janeiro em 1808. Atendendo a interesses econômicos da Inglaterra, logo na chegada ao Brasil foi assinado a Abertura dos Portos as nações amigas, isto é, a Inglaterra. Este documento representou o fim do pacto colonial e o primeiro passo rumo à independência do Brasil.  

Resposta da questão 6:
 [D]

Somente a alternativa [D] está correta. Com a expansão napoleônica, a corte portuguesa se deslocou para o Brasil em 1808 fugindo do exército francês. Em 1815, com a derrota de Napoleão, ocorreu  o Congresso de Viena visando refazer o mapa europeu, retornar a velha ordem absolutista. Este Congresso foi caracterizado pelos princípios de legitimidade, equilíbrio, restauração e compensações. D. João VI, estava no Brasil e não pretendia retornar a Portugal, daí o Brasil foi elevado a categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves, perdendo o estatuto de colônia.  

Resposta da questão 7:
 [D]

O texto é claro na sua abordagem: para Caio Prado Júnior, a independência do Brasil foi um movimento guiado pela elite brasileira, apoiando o Príncipe Regente d. Pedro, sem nenhum tipo de participação popular. E o resultado disso foi a formação de um governo independente amplamente elitista.  

Resposta da questão 8:
 [C]

A Constituição de 1824 instituía a divisão do poder político brasileiro em quatro. Além dos três poderes tradicionais (executivo, legislativo e judiciário), houve a adoção do Poder Moderador. De atribuição exclusiva do Imperador, tal poder interferia nos três demais poderes.  

Resposta da questão 9:
 [D]

Somente a alternativa [D] está correta. O texto de D. Pedro I faz referência à noite da agonia quando o monarca dissolveu a assembleia nacional constituinte porque estava descontente com o projeto da mandioca caracterizado pela xenofobia (no caso contra os portugueses) e pelo liberalismo uma vez que limitava o poder do rei. Em 1824 foi outorgada a Constituição brasileira profundamente centralizadora dando amplo poder ao imperador através do poder Moderador, Padroado, Beneplácito e a nomeação dos presidentes de província. O Brasil tornou-se uma monarquia constitucional com uma fachada absolutista.  

Resposta da questão 10:
 [C]

A Constituição brasileira de 1824 restringia a participação da população ao voto: renda mínima (critério censitário), voto masculino, eleição indireta e voto separado em dois graus (eleitor de província sendo eleito para eleger deputados e senadores) eram características do voto no Primeiro Reinado.  


domingo, 15 de abril de 2018

Mercantilismo, Iluminismo, Revolução Industrial e Imperialismo - Gabarito comentado - Prova de História



Para não perder as novidades, inscreva-se no Canal e clique no Sino:
1.  
Com base na tabela, é correto afirmar:
a) A industrialização acelerada da Alemanha e dos Estados Unidos ocorreu durante a Primeira Revolução Industrial, mantendo-se relativamente inalterada durante a Segunda Revolução Industrial.   
b) Os países do Sul e do Leste da Europa apresentaram níveis de industrialização equivalentes aos dos países do Norte da Europa e dos Estados Unidos durante a Segunda Revolução Industrial.   
c) A Primeira Revolução Industrial teve por epicentro o Reino Unido, acompanhado em menor grau pela Bélgica, ambos mantendo níveis elevados durante a Segunda Revolução Industrial.   
d) Os níveis de industrialização verificados na Ásia em meados do século XVIII acompanharam o movimento geral de industrialização do Atlântico Norte ocorrido na segunda metade do século XIX.   
e) O Japão se destacou como o país asiático de mais rápida industrialização no curso da Primeira Revolução Industrial, perdendo força, no entanto, durante a Segunda Revolução Industrial.    
 
2.   Brasília foi inaugurada em 1960, poucos anos depois do início de sua construção. Planejada por Lúcio Costa e Oscar Niemeyer, a nova capital do Brasil foi estruturada a partir de dois grandes eixos que se cruzam: o Eixo Rodoviário, em torno do qual estão as áreas residenciais, e o Eixo Monumental, onde se localizam os órgãos governamentais e culturais. Em uma das extremidades do Eixo Monumental, encontra-se a Praça dos Três Poderes.

O nome dessa praça faz referência à teoria
a) da divisão das responsabilidades sobre o país que, com a Constituição de 1891, definiu que o presidente, os governadores e os prefeitos exerceriam o poder de forma compartilhada.   
b) do Estado tripartido, de origem medieval, que definia as funções que deveriam ser desempenhadas pela nobreza, pela burguesia e pelos trabalhadores em benefício da sociedade.   
c) da organização da república, proposta por Platão, em que o presidente, o povo e os deputados debatem a respeito do funcionamento da sociedade.   
d) do Estado moderno europeu, segundo a qual o Senado, a Câmara e a Presidência da República exercem os poderes conferidos pela população por meio do voto direto e secreto.   
e) da separação dos poderes, proposta por Montesquieu, em que o Executivo, o Legislativo e o Judiciário devem exercer os seus poderes de forma independente e equilibrada entre si.   
 
3.   Os direitos civis, surgidos na luta contra o Absolutismo real, ao se inscreverem nas primeiras constituições modernas, aparecem como se fossem conquistas definitivas de toda a humanidade. Por isso, ainda hoje invocamos esses velhos “direitos naturais” nas batalhas contra os regimes autoritários que subsistem.
QUIRINO, C. G.; MONTES, M. L. Constituições. São Paulo: Ática, 1992 (adaptado).

O conjunto de direitos ao qual o texto se refere inclui
a) voto secreto e candidatura em eleições.   
b) moradia digna e vagas em universidade.   
c) previdência social e saúde de qualidade.   
d) igualdade jurídica e liberdade de expressão.   
e) filiação partidária e participação em sindicatos.   
 
4.   “Acontece que Luís XIV provavelmente tinha excelente faro para os negócios — sem falar que o monarca devia achar muito sem graça ver todo mundo vestido de preto constantemente —, pois ele convocou seu Ministro das Finanças, Jean-Baptiste Colbert, para uma conversinha sobre indumentárias. Aconselhado pelo político, o rei proibiu a importação de tecidos estrangeiros e estabeleceu uma gigantesca indústria têxtil no país para suprir as necessidades da população mais abastada. Além disso, Luís XIV e Colbert determinaram que novos modelos de roupas fossem criados duas vezes ao ano com tecidos inéditos.
Assim, os costureiros que atendiam à nobreza passaram a apresentar uma coleção de roupas no inverno e outra no verão — sem se esquecer de incluir acessórios como leques, capas, sombrinhas, casacos etc. entre os itens.
O rei decretou ainda que os nobres que desejassem visitá-lo no Palácio de Versalhes deveriam se vestir apenas com modelos da última moda, e teve a ideia de financiar a produção de catálogos que apresentavam as novas coleções. Dessa forma, a aristocracia francesa e do resto da Europa podia selecionar os itens que desejava comprar.”

Você sabia que Rei Luís XIV da França foi o inventor da alta costura? Por Maria Luciana Rincon.
Disponível em: http://www.megacurioso.com.br/personalidades/75642-voce-sabia-que-rei-luis-xiv-da-franca-foi-o-inventor-da-altacostura.htm. Acesso em: 12 fev 2017.


O Mercantilismo foi uma série de práticas de enriquecimento dos Estados Nacionais entre os séculos XV e XVIII, como exemplo, na França o Rei Luís XIV e seu ministro Colbert tentaram ampliar os ganhos da coroa com o aumento de taxas e também do comércio de artigos de luxo, o chamado Colbertismo.

Acerca das práticas mercantilistas dos Estados Nacionais, marque a afirmativa CORRETA:
a) O protecionismo era aumentar as taxas dos produtos exportados e diminuir dos importados, assim ganharia mais com a venda e facilitaria a compra.    
b) Uma das práticas do Mercantilismo, usada ainda hoje para equilibrar as finanças dos países, é a balança comercial favorável que consiste em exportar mais do que importar para evitar o endividamento e aumentar os ganhos.    
c) Espanha e Portugal foram as primeiras a conquistar colônias e extrair metais para enriquecer, assim conseguiram um excedente que propiciou serem pioneiras no investimento industrial.    
d) O metalismo foi uma prática portuguesa que consistia em acumular metais através da extração de ouro e prata das colônias ultramar, primeiramente descobertos no Brasil.    
e) A Inglaterra e a França se destacaram no comércio de artigos luxuosos, enquanto os ingleses produziam os ricos tecidos, os franceses os compravam para usar em suas roupas, uma espécie de colaboracionismo que perdurou durante todo o período.    
 
5.   Atente ao seguinte excerto:

“O crime [...] consistiu em herdar as piores feições do sistema doméstico num contexto em que inexistiam as compensações do lar: ‘ele sistematizou o trabalho das crianças pobres e desocupadas, explorando-o com uma brutalidade tenaz...’ [...] Na fábrica a máquina ditava as condições, a disciplina, a velocidade e a regularidade da jornada de trabalho, tornando-as equivalentes para o mais delicado e o mais forte”.

Edward P. Thompson. A Formação da Classe Operária Inglesa. Vol. II: A maldição de Adão.
Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1987. p. 207.


Considerando os processos de transformação ocorridos na sociedade ocidental, é correto afirmar que esse trecho da obra do historiador inglês Edward P. Thompson se refere à
a) Revolução Gloriosa, ocorrida na Inglaterra entre 1688 e 1689, que garantiu o fim do absolutismo na Inglaterra e possibilitou o desenvolvimento social e econômico daquele país.   
b) Revolução Francesa, que no final do século XVIII criou um novo modelo social e econômico para o mundo ocidental.   
c) Revolução Industrial, que, principiando no século XVIII, estabeleceu novas formas de organização do trabalho na sociedade capitalista.   
d) Revolução Haitiana, que teve início em 1791 e marcou a independência do país caribenho do domínio francês, mas colocou-o sob o controle do capital industrial inglês.   
 
6.   (...) Em termos de produtividade econômica, a transformação social foi um êxito imenso; em termos de sofrimento humano, uma tragédia, aumentada pela depressão agrícola depois de 1815 que reduziu o pobre rural à miséria mais desmoralizadora (...). Porém, do ponto de vista da industrialização havia consequências benéficas, pois uma economia industrial necessita de trabalhadores, e onde se podia obtê-los senão no antigo setor não industrial?

Hobsbauwn, Eric. A Revolução Industrial. In As Revoluções Burguesas.


No trecho acima, o autor analisa consequências da Revolução Industrial na Inglaterra. Sobre o texto e o contexto, é correto afirmar que
a) a Revolução Industrial na Inglaterra marcou a passagem da sociedade rural para a industrial, apontando que, mesmo antes da introdução das máquinas, as manufaturas domésticas sediadas no campo tendiam a desaparecer pela falta de competitividade de seus produtos.   
b) a tendência à estabilização das populações campesinas e de pequenos burgueses, no interior rural inglês, foi um empecilho que acabou por gerar medidas governamentais, sancionadas pelo Parlamento a fim de solucionar tal problema social.   
c) com os cercamentos dos campos, no século XVIII, e pela consequente expropriação dos trabalhadores de seus meios de trabalho, o país contava com um enorme contingente de mão de obra desempregada nas cidades, disponível para o trabalho industrial.   
d) a grave crise agrícola de 1815, acompanhada pela epidemia de peste bubônica que atacou, principalmente, o interior agrícola do país, acabou por gerar um grande êxodo rural e um enorme fluxo populacional, disposto a trabalhar nas cidades, mesmo com baixo índice salarial.   
e) a ganância dos grandes proprietários de terra ingleses, interessados em exportar seus produtos para os novos centros industriais do país, acabou por ocasionar a situação de penúria, relatada no texto, em que se encontrava a população rural na época.   
 
7.   Sobre os processos de industrialização é correto afirmar que: 
a) No final do século XIX ocorreu a chamada “Segunda Revolução Industrial”, com a diversificação do uso da energia elétrica, que permitiu o desenvolvimento do rádio e do telefone; assim como a invenção do motor à explosão, que permitiu o surgimento do automóvel e do avião.    
b) A produção de bens no antigo Egito era realizada por artesãos que gozavam de boa reputação em toda a sociedade, sendo famosos e bem remunerados por isso.    
c) A moenda da cana-de-açúcar, no Brasil colonial, era realizada com base no trabalho assalariado e na produção em série, visando diminuir o preço do produto para vendê-lo em grande quantidade para o mercado interno.    
d) A chamada Revolução Industrial iniciou-se na Alemanha, graças às inovações produzidas nas universidades que aplicaram os conhecimentos em empresas públicas para atender à melhoria das condições de vida da classe trabalhadora.    
e) No século XX ficou comprovada a tese de que, na divisão internacional do trabalho, alguns países com vocação agrária podiam se tornar economicamente desenvolvidos, sem que houvesse indústrias em seu território.    
 
8.   Os europeus estavam convencidos de que a África seria um grande mercado para os produtos de sua indústria a partir do momento que se civilizasse, isto é, que adotasse as crenças, os valores e os modos de vida dominantes na Europa. Contavam para isso com a ação dos missionários cristãos e dos comerciantes europeus.

Alberto da Costa e Silva. A África explicada aos meus filhos, 2008.


O texto expõe a combinação de estratégias e interesses europeus na colonização da África, a partir do final do século XVIII. Entre essas estratégias, é correto citar
a) o respeito às tradições locais e a assimilação de princípios éticos e morais dos nativos.   
b) a negociação com os líderes locais e a defesa da democracia política.    
c) a catequização e a difusão de discursos de supremacia racial e cultural.   
d) a militarização dos conflitos e o emprego sistemático de armas de destruição em massa.    
e) o endosso ao sincretismo religioso e o estabelecimento de laços diplomáticos.    
 
9.   A industrialização do continente europeu marcou um intenso processo de expansão econômica. O crescimento dos parques industriais e o acúmulo de capitais fizeram com que as grandes potências econômicas da Europa buscassem a ampliação de seus mercados e procurassem maiores quantidades de matéria-prima disponíveis a baixo custo. Foi nesse contexto que, a partir do século XIX, essas nações buscaram explorar regiões na África e Ásia.

Disponível em: http://mestresdahistoria.blogspot.com.br/2011/04/aprenda-as-diferencas-entre-o.html
Acesso em: 14/09/2015, às 14h06min.


Comparando o imperialismo do século XIX com o colonialismo do século XVI, podemos concluir que
a) o imperialismo do século XIX esteve voltado para a procura de mercados consumidores de produtos industrializados e fornecedores de matéria-prima.   
b) o colonialismo do século XVI buscava colônias para instalar o excedente populacional e novas áreas de investimentos de capitais industriais.   
c) o imperialismo do século XIX demonstrou respeito em relação aos povos das colônias conquistadas, preservando seus costumes e sua identidade cultural.   
d) o imperialismo do século XIX se dedicou à busca de especiarias, gêneros tropicais e metais preciosos, enquadrando-se no Mercantilismo.   
e) o colonialismo do século XVI limitou-se à costa africana, enquanto o imperialismo do século XIX voltou-se somente para a América do Norte.   
 
10.   Ao longo do século XIX, diversos países praticaram uma política de expansionismo imperialista que interferiu na trajetória histórica de sociedades em todos os continentes. Sobre esse processo, assinale a única alternativa correta.
a) O expansionismo, nesse momento, estava associado ao desenvolvimento da industrialização e à expansão do capital financeiro, o que significava ampliar o mercado consumidor, garantir o controle sobre áreas fornecedoras de matérias-primas estratégicas e encontrar novas áreas de investimento.   
b) A principal justificativa desse expansionismo foi a ideia de civilização, tendo os povos conquistados acolhido os conquistadores como seus salvadores frente a um destino de pobreza e miséria.   
c) A relação econômica entre a metrópole e a colônia estava baseada na pratica do monopólio comercial que os primeiros exerciam sobre os segundos.   
d) O controle das áreas coloniais nesse momento obedecia a uma lógica econômica e, por isso, não houve significativos deslocamentos de população entre as regiões metropolitanas e coloniais.   
e) A resistência ao colonialismo no século XIX foi vitoriosa, pois as populações locais conseguiram articular alianças políticas e militares que impediram a vitória das potências industriais.   
 
Gabarito: 

Resposta da questão 1:
 [C]

A alternativa [C] está correta porque o Reino Unido destacou-se na liderança da Primeira Revolução Industrial, mantendo sua expressiva produção também durante a Segunda Revolução, fato ocorrido também com a Bélgica, embora em menores proporções. As alternativas incorretas são: [A], porque a industrialização acelerada da Alemanha e dos Estados Unidos foi expressiva na Segunda Revolução; [B], porque Espanha, Itália e Rússia tiveram desempenho industrial aquém dos países europeus setentrionais e Estados Unidos; [D], porque Índia e China registraram decréscimo em sua produção industrial; [E], porque o Japão aumentou sua produção industrial na Segunda Revolução.  

Resposta da questão 2:
 [E]

Somente a proposição [E] está correta. Em meados do século XVIII, o filósofo francês Montesquieu escreveu a obra “O Espírito das Leis” um clássico dentro do eixo temático vinculado à Política. Neste livre, o pensador critica o absolutismo e a centralização do poder e defende a divisão do poder em três partes (Executivo, Legislativo e Judiciário) que devem atuam de maneira equilibrada e independente.  

Resposta da questão 3:
 [D]

Na luta contra o Absolutismo, o Iluminismo surgiu como o principal movimento revolucionário. Combatendo as injustiças do Antigo Regime, como a concentração de poder nas mãos dos monarcas e o Direito Divino dos Reis, os filósofos iluministas criaram teses que defendiam a igualdade de todos perante a lei, a soberania dos povos e o direito de livre expressão das pessoas.  

Resposta da questão 4:
 [B]

Somente a alternativa [C] está correta. No início da Idade Moderna, os Estados Nacionais Modernos através de seus monarcas criaram uma política econômica chamada Mercantilismo cujo objetivo era angariar recursos para o Estado. Entre as principais características do Mercantilismo estão o protecionismo, balança comercial favorável, metalismo e uma forte intervenção do Estado na economia.  

Resposta da questão 5:
 [C]

Somente a alternativa [C] está correta. O historiador inglês Edward Thompson na sua obra clássica intitulada “A Formação da Classe Operária Inglesa” faz referência às transformações provocadas pela Revolução Industrial que teve início na Inglaterra no final do século XVIII. A máquina aumentou a produção e a jornada de trabalho, alterou o ritmo da fábrica, introduziu a disciplina mudando a concepção de tempo com a necessidade do relógio. Era a consolidação do sistema capitalista com o surgimento da classe operária e a separação entre capital e trabalho.  

Resposta da questão 6:
 [C]

Uma das explicações para o pioneirismo inglês na primeira Revolução Industrial eram os cercamentos rurais: grandes proprietários de terra “cercavam” os lotes de terra dos pequenos produtores rurais e os expulsavam do campo, o que produzia elevado êxodo rural, ainda que forçado. Por isso, era grande a oferta de mão de obra nas cidades inglesas.  

Resposta da questão 7:
 [A]

A Segunda Revolução Industrial, também conhecida como Revolução do Aço e da Eletricidade, trouxe como inovações que melhoraram a produção, os transportes e as comunicações, o uso da eletricidade e a invenção do motor de combustão interna.  

Resposta da questão 8:
 [C]

Somente a alternativa [C] está correta. O excerto aponta para algumas estratégias e interesses dos europeus sobre o continente africano. A África era concebida como um mercado consumidor promissor, para isso, era necessário realizar um processo de aculturação que poderia ser feito pelos missionários cristãos e comerciantes europeus.  

Resposta da questão 9:
 [A]

A questão aponta para o Imperialismo que ocorreu a partir da segunda metade do século XIX quando as potências capitalistas industrializadas saíram em busca de matéria-prima e mercado consumidor. As vítimas foram a África, Ásia e Oceania. A Europa passava pela Segunda Revolução Industrial, aço, petróleo e eletricidade, surgindo à necessidade de expandir para escoar o excedente populacional, investir capital, busca de matéria-prima e mercado consumidor.  

Resposta da questão 10:
 [A]

O principal objetivo das nações imperialistas no século XIX era a busca por mercados consumidores e matérias-primas.  


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Follow by Email

Textos relacionados