Google+ Followers

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Simulado ENEM com gabarito comentado




1.  



As novas tecnologias foram massificadas, alcançando e impactando de diferentes formas os lugares. A ironia proposta pela charge indica que o acesso à tecnologia está
a) vinculado a mudanças na paisagem.   
b) garantido de forma equitativa aos cidadãos.   
c) priorizado para resolver as desigualdades.   
d) relacionado a uma ação redentora na vida social.   
e) dissociado de revoluções na realidade socioespacial.   


Resposta:

[E]

A charge indica o paradoxo entre a questão socioeconômica e o uso de tecnologia ao expor que as desigualdades sociais ainda se postergam a despeito das revoluções tecnológicas.

Estão incorretas as alternativas:
[A] porque a charge não indica mudanças na paisagem;
[B] porque o acesso à tecnologia depende da condição socioeconômica;
[C] porque o desenvolvimento tecnológico objetiva o mercado e não as desigualdades sociais;
[D] porque a charge indica condições precárias de vida.



  
2.  



O processo indicado no gráfico demonstra um aumento significativo da população urbana em relação à população rural no Brasil. Esse fenômeno pode ser explicado pela
a) atração de mão de obra pelo setor produtivo concentrado nas áreas urbanas.   
b) manutenção da instabilidade climática nas áreas rurais.   
c) concentração da oferta de ensino nas áreas urbanas.   
d) inclusão da população das áreas urbanas em programas assistenciais.   
e) redução dos subsídios para os setores da economia localizados nas áreas rurais.   


Resposta:

[A]

Como mencionado corretamente na alternativa [A], o processo de urbanização está associado ao êxodo rural que desloca para as cidades, grande contingente de mão de obra absorvido ou não, pelos setores secundário e terciário. Estão incorretas as alternativas: [B], porque a migração rural urbana não é resultante da questão climática; [C], porque o deslocamento para áreas urbanas não resulta da oferta de ensino, mas de empregos; [D], porque os programas assistenciais atendem baixa renda, independente de seu domicílio; [E], o êxodo rural decorre das condições precárias para as famílias de baixa renda do campo.



  
3.   Energia de Noronha virá da força das águas
A energia de Fernando de Noronha virá do mar, do ar, do sol e até do lixo produzido por seus moradores e visitantes. É o que promete o projeto de substituição da matriz energética da ilha, que prevê a troca dos geradores atuais, que consomem 310 mil litros de diesel por mês.
GUIBU, F. Folha de S. Paulo, 19 ago. 2012 (adaptado).


No texto, está apresentada a nova matriz energética do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha. A escolha por essa nova matriz prioriza o(a)
a) expansão da oferta de energia, para aumento da atividade turística.   
b) uso de fontes limpas, para manutenção das condições ecológicas da região.   
c) barateamento dos custos energéticos, para estímulo da ocupação permanente.   
d) desenvolvimento de unidades complementares, para solução da carência energética local.   
e) diminuição dos gastos operacionais de transporte, para superação da distância do continente.   


Resposta:

[B]

Como mencionado corretamente na alternativa [B], a adoção de matrizes energéticas renováveis e limpas objetiva a manutenção das condições ecológicas da área. Estão incorretas as alternativas: [A] e [C], porque o objetivo não é o aumento do turismo ou a ocupação permanente da área; [D], porque a adoção de fontes limpas irá substituir e não complementar a produção termoelétrica; [E], porque o texto não faz referencia ao transporte.



  
4.   O ícone dos conflitos que assolam a região da bacia do Xingu na atualidade é o projeto da hidrelétrica de Belo Monte. Prevista para ser implantada no Médio Xingu, tem a capacidade de gerar, segundo os estudos da Eletronorte, 11 mil megawatts de energia, o que faria dela a segunda maior hidrelétrica do Brasil. Entre adesivos que refletem o teor polêmico do projeto – “Eu quero Belo Monte” e “Fora Belo Monte” –, os moradores de Altamira, cidade polo da região onde a usina deverá ser construída, se dividem.

MARTINHO, N. O coração do Brasil. Horizonte Geográfico, n. 129, jun. 2010 (adaptado).


Na polêmica apresentada, de acordo com a perspectiva dos trabalhadores da região, um argumento favorável e outro contrário à implementação do projeto estão, respectivamente, na
a) urbanização da periferia e valorização dos imóveis rurais.   
b) recuperação da autoestima e criação de empregos qualificados.   
c) expansão de lavouras e crescimento do assalariamento agrícola.   
d) captação de investimentos e expropriação dos posseiros pobres.   
e) adoção do preservacionismo e estabelecimento de reservas permanentes.   


Resposta:

[D]

A implantação da Usina Hidrelétrica de Belo Monte traz benefícios como o direcionamento de investimentos para a região podendo alavancar setores da economia, porém, ao mesmo tempo resulta em prejuízos para a população que não tem acesso legal à terra e que, dessa forma, não seria beneficiária de indenizações. Estão incorretas as alternativas [A], [B] e [C] porque a urbanização da periferia e a valorização dos imóveis rurais não são consequências diretas da implantação da usina; [D], porque a implantação da usina não é um processo preservacionista.



  
5.   Sabe-se o que era a mata do Nordeste, antes da monocultura da cana: um arvoredo tanto e tamanho e tão basto e de tantas prumagens que não podia homem dar conta. O canavial desvirginou todo esse mato grosso do modo mais cru: pela queimada. A fogo é que foram se abrindo no mato virgem os claros por onde se estendeu o canavial civilizador, mas ao mesmo tempo devastador.

FREYRE, G. Nordeste. São Paulo: Global, 2004 (adaptado).


Analisando os desdobramentos da atividade canavieira sobre o meio físico, o autor salienta um paradoxo, caracterizado pelo(a)
a) demanda de trabalho, que favorecia a escravidão.   
b) modelo civilizatório, que acarretou danos ambientais.   
c) rudimento das técnicas produtivas, que eram ineficientes.   
d) natureza da atividade econômica, que concentrou riqueza.   
e) predomínio da monocultura, que era voltada para exportação.   


Resposta:

[B]

Como mencionado corretamente na alternativa [B], o autor associa a ocupação do nordeste brasileiro por meio da produção canavieira com o forte impacto ambiental trazido por ela, caracterizando dessa forma, a contradição. Estão incorretas as alternativas: [A], porque não há referencias ao processo de escravidão; [C], porque não há referencias às técnicas utilizadas, mas à ocupação do espaço de forma predatória; [D], porque não há referencias ao modelo concentrador de capital; [E], porque embora a produção canavieira seja monocultora e voltada à exportação, o autor ressalta o aspecto ambiental da ocupação do espaço para essa produção.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

HOTWORDS

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Follow by Email

Textos relacionados