Google+ Followers

Oriente Médio e Palestina

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Revolução de 1930 - Ruptura ou continuidade




Em síntese: O movimento político-militar que determinou o fim da Primeira República (1889-1930) originou-se da união entre os políticos e tenentes que foram derrotados nas eleições de 1930 e decidiram pôr fim ao sistema oligárquico através das armas. Após dois meses de articulações políticas nas principais capitais do país e de preparativos militares, o movimento eclodiu simultaneamente no Rio Grande do Sul e Minas Gerais, na tarde do dia 3 de outubro. Em menos de um mês a revolução já era vitoriosa em quase todo o país, restando apenas São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Pará ainda sob controle do governo federal. Finalmente, um grupo de militares exigiu a renúncia do presidente Washington Luís e pouco depois entregou o poder a Getúlio Vargas.
Foi a vitória do candidato governista Júlio Prestes nas eleições de março de 1930, derrotando a candidatura de Getúlio Vargas, que era apoiada pela Aliança Liberal, que deu início a uma nova rearticulação de forças de oposição que culminou na Revolução de 1930. Os revolucionários de 30 tinham como objetivo comum impedir a posse de Júlio Prestes e derrubar o governo de Washington Luís, mas entre eles havia posições distintas quanto ao que isso representava e quais seriam as conseqüências futuras.
Dentre os jovens políticos que se uniram em torno do levante, destacavam-se Getúlio Vargas, Oswaldo Aranha, Flores da Cunha, Lindolfo Collor, João Batista Luzardo, João Neves da Fontoura, Virgílio de Melo Franco, Maurício Cardoso e Francisco Campos. Além de derrubar o governo, esses líderes pretendiam reformular o sistema político vigente. Dos tenentes que haviam participado do movimento tenentista, os nomes de maior destaque eram Juarez Távora, João Alberto e Miguel Costa. A meta particular desse grupo era a introdução de reformas sociais e a centralização do poder. Havia ainda uma ala dissidente da velha oligarquia, que via no movimento revolucionário um meio de aumentar seu poder pessoal. Era o caso de Artur Bernardes, Venceslau Brás, Afrânio de Melo Franco, Antônio Carlos Ribeiro de Andrada e João Pessoa, entre outros.
Por sua vez, o ex-líder da Coluna Prestes, Luís Carlos Prestes, optou por um caminho mais radical. Crítico da união dos jovens políticos com a dissidência oligárquica, Prestes decidiu não participar da revolução e lançou seu próprio Manifesto Revolucionário. Declarava-se socialista e sustentava que a mera de troca de homens no poder não atenderia às reais necessidades da população brasileira.
Intermináveis negociações preliminares retardaram as ações militares dos conspiradores contra o governo de Washington Luís. Finalmente, em 26 de julho, o inesperado assassinato de João Pessoa, presidente da Paraíba e candidato derrotado à vice-presidência na chapa da Aliança Liberal, estimulou as adesões e acelerou os preparativos para a deflagração da revolução. Alçado à condição de mártir da revolução, João Pessoa foi enterrado no Rio de Janeiro e seus funerais provocaram grande comoção popular, levando setores do Exército antes reticentes a apoiar a causa revolucionária.
Enfim, a 3 de outubro, sob a liderança civil do gaúcho Getúlio Vargas e sob a chefia militar do tenente-coronel Góes Monteiro, começaram as diversas ações militares. Simultaneamente deu-se início à revolução no Rio Grande do Sul, à revolução em Minas Gerais e à revolução no Nordeste, os três pilares do movimento.
Com a ocupação de capitais estratégicas como Porto Alegre e Belo Horizonte e de diversas cidades do Nordeste, e com o deslocamento das forças revolucionárias gaúchas em direção a São Paulo, o presidente Washington Luís recebeu um ultimato de um grupo de oficiais-generais, liderados por Augusto Tasso Fragoso. O grupo exigiu a renúncia do presidente. Diante de sua negativa, os militares determinaram sua prisão e o cerco do palácio Guanabara, no dia 24 de outubro. A seguir, formou-se a Junta Provisória de governo, composta pelos generais Tasso Fragoso e João de Deus Mena Barreto e o almirante Isaías de Noronha.
Em virtude do maior peso político que os gaúchos detinham no movimento e sob pressão das forças revolucionárias, a Junta finalmente decidiu transmitir o poder a Getúlio Vargas. Num gesto simbólico que representou a tomada do poder, os revolucionários gaúchos, chegando ao Rio, amarraram seus cavalos no Obelisco da avenida Rio Branco. Em 3 de novembro chegava ao fim a Primeira República e começava um novo período da história política brasileira, com Getúlio Vargas à frente do Governo Provisório. Era o início da Era Vargas. Entender o significado desse movimento, saber se representou uma ruptura ou continuidade na vida nacional, tem sido objeto de inúmeros livros e artigos escritos desde então.
Ruptura ou Continuidade?
A Revolução de 1930 representou uma continuidade ou uma ruptura? Esta é uma pergunta presente em muitas das análises da história contemporânea do Brasil.
Aqueles que acentuam a continuidade consideram que o movimento de 1930 não alterou os padrões econômicos ou políticos da velha ordem, e que portanto não cabe chamá-lo de revolução. Os que sublinham as novidades introduzidas no pós-30 (política social, corporativismo), ao contrário, tendem a afirmar que 1930 representou um movimento de ruptura com um modelo e uma prática liberais, baseados na não-intervenção do Estado no mercado de trabalho.
A disputa entre as teses da ruptura ou da continuidade talvez seja um tanto ilusória, já que os movimentos político-sociais, mesmo os mais radicais, também contêm elementos que foram gerados na velha ordem. A idéia de um corte radical com o passado pode não ser a melhor representação do processo histórico. A história não se processa pela emergência abrupta de eventos, mas de outro lado alguns deles podem lhe imprimir um determinado curso, nem sempre previsto em seus antecedentes. Entre o determinismo, onde os acontecimentos são vistos como produto de uma necessidade inquestionável, e o voluntarismo, que vê a vontade e a ação humanas como elementos fundamentais do processo histórico, é preciso procurar compreender as complexas relações entre traços estruturais, dados conjunturais e a opção dos atores sociais.
O conceito de revolução utilizado para caracterizar eventos político-sociais inclui nele mesmo diferentes significados. No passado revolução foi entendida como volta às origens, como um "revolver", e nesse sentido estava relacionada a uma concepção circular do tempo histórico. Outra tradição, a iluminista, entendia revolução como o início de um novo tempo inserido na caminhada linear do gênero humano em seu processo evolutivo. Mais recentemente, o conceito de "revolução pelo alto" foi usado para compreender os processos de mudança conduzidos por elites políticas e que marcam a história de várias sociedades .
Muitos dos que criticam chamar o movimento de 1930 de revolução consideram que a Abolição da Escravatura, por exemplo, foi uma ruptura mais importante. Chamar 30 de revolução nada mais seria do que assumir o ponto de vista dos "vencedores". É preciso lembrar que movimentos vitoriosos tendem a construir representações que confirmam seu ímpeto revolucionário, destruidor das velhas estruturas, e que a história envolve não só a luta política mas também a luta de símbolos e representações.
O movimento de 1930 tem sido objeto, desde sua época até hoje, de diferentes versões. Essas interpretações sobre a revolução podem ser tomadas como marcos significativos da história do pensamento político brasileiro, na medida em que foram produzidas e influenciadas pelas preocupações contemporâneas a elas. Como não é o passado que nos instrui sobre a perspectiva do presente, mas, ao contrário, é o presente que nos fornece uma interpretação do passado, são as perguntas e os impasses de cada momento que nos fazem indagar sobre as experiências históricas e recuperar ou descartar fatos e personagens.
A vasta bibliografia sobre a Revolução de 1930 que até hoje é produzida mostra por si só a importância desse evento na história brasileira.

http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AEraVargas1/anos20/Revolucao30/RupturaContinuidade
CPDOC – Fundação Getulio Vargas

Sugestão de estudo para as minhas turmas do Estado - simulado online


Estado


Sugestão de estudo para a prova das minhas turmas do Estado


1º ano

http://www.sprweb.com.br/lista/?COD=7471199824



2º ano

http://www.sprweb.com.br/lista/?COD=1176526812


3º ano

http://www.sprweb.com.br/lista/?COD=3325801645

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Sugestão de estudo complementar para a prova de História - 3º ano - 4º bimestre


Sugestão de estudo para a prova integrada de História do 3º ano 4º bimestre
Tema: descolonização afro-asiática









quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Atualidades - Prêmio Nobel da Paz, Turquia e Síria, aquecimento globa, atletas e drogas, obesidade e o ministério da Saúde

Assuntos desse programa:
- União Europeia recebe o Prêmio Nobel da Paz do ano de 2012.
- Turquia e o conflito na Síria.
- Aquecimento global e o esforço para entender esse fenômeno.
- Brasil e o antagonismo no desenvolvimento de tecnologia.
- Lei de Cotas contribui para saldar dívida do Brasil com jovens pobres, a presidenta da República.
- A condenação de Genuíno, Delúbio e de José Dirceu por maioria.
- Atletas, drogas e patrocínio
- Qual o limite do ser humano: até quando vamos aumentar nossas expectativas de vida?
- Liberdade de ir e vir na ilha de Cuba.
- Qual a relação entre o craque de futebol e empresário.
- Ronaldo que se sujeita a emagrecer diante das câmeras de TV e a parceria entre o Ministério da Saúde e o IBGE para examinar a população a partir de 2013?
- Lei de cotas contribui para saldar dívida do Brasil com jovens pobres.







Atualidades - Vistos de brasileiros nos EUA, A menina heroína do Paquistão

Assuntos desse programa:
- Cresce o número de vistos americanos cedidos a brasileiros
- Caixa chega a R$ 80,2 bilhões em crédito habitacional e atinge total de 2011
- Pai diz que menina ativista voltará ao Paquistão após se recuperar
- Subsídios para a agricultura
- Jogos olímpicos geram lucros ou despesas para os países sede?






Atualidades - Super tempestade nos EUA e o ENEM

Uma ajuda para aqueles alunos que precisam de atualização e ainda não criaram o hábito de ler jornais diariamente. 



Específica da UERJ - História - Questões discursivas com gabarito comentado


1. (Uerj 2011) 



No decorrer da década de 1970, medidas econômicas implementadas pelos governos militares afetaram de maneiras variadas as condições de vida dos brasileiros, como ilustram a propaganda e a charge.
Indique duas dessas medidas econômicas e dois dos seus efeitos sociais.


Resposta:

Duas das medidas:
• controle da inflação.
• controle do câmbio pelo Estado.
• favorecimento do grande capital.
• controle da mão de obra por meio de políticas de arrocho salarial.
• favorecimento do consumo de bens duráveis por meio da facilitação do crédito.
• estímulo ao crescimento do setor industrial de bens de consumo duráveis, como eletrodomésticos e automóveis.

Dois dos efeitos:
• arrocho salarial.
• concentração de renda.
• perda da estabilidade no emprego.
• aumento das desigualdades sociais.
• aumento das desigualdades regionais.
• aumento da concentração da propriedade urbana e rural.

A primeira imagem retrata o aumento do consumo da classe média, que adquiriu não apenas seu primeiro carro na época, mas também a sua primeira casa, refletindo a queda da taxa de juros e as facilidades na obtenção de empréstimos. Destaca o consumo como sinal de ascensão social. A segunda imagem, uma charge, faz uma crítica a situação de pobreza da família brasileira que, se não tem o que comer, deveria se contentar com a “taça do mundo”, conquistada pela seleção brasileira de futebol em 1970 no México, ironizando o ufanismo dos governantes do período.



  
2. (Uerj 2010)  As expedições destinadas ao apresamento de indígenas constituíram, como se pode observar no mapa a seguir, a principal atividade realizada pelos bandeirantes paulistas entre os séculos XVI e XVIII.




Estabeleça a relação existente entre as expedições de apresamento e as atividades econômicas desenvolvidas pelos habitantes da Capitania de São Vicente. Em seguida, identifique um efeito dessas expedições para a colônia portuguesa na América.


Resposta:

A ocupação das terras do planalto pelos paulistas ocasionou conflitos com as populações nativas locais, que foram em grande parte aprisionadas e então utilizadas como mão de obra escrava na lavoura de gêneros alimentícios. Por sua vez, o desenvolvimento dessa lavoura, destinada ao comércio intracolonial, estimulou a organização de novas expedições destinadas ao apresamento de indígenas.

Um dos efeitos:
• desbravamento e conhecimento dos sertões
• descoberta de ouro na região das Minas Gerais
• extermínio e escravização de populações ameríndias
• criação de caminhos e estradas entre as regiões desbravadas
  • ampliação da oferta de mão de obra escrava indígena para outras regiões da América portuguesa
• legitimação das pretensões territoriais portuguesas na negociação do tratado de Madri

A questão analisa o bandeirismo de apresamento enfatizando o caráter cíclico dessa atividade e seus efeitos no processo colonizador.  



  
3. (Uerj 2010) 




A cena retratada pelos quadrinhos só se tornou possível na história recente do país com o fim do Ato Institucional nº 2 (AI-2) em 1979. A reforma partidária, assim como outros eventos do processo de restabelecimento do estado de direito no Brasil, contudo, permitiram ao regime militar controlar o ritmo da abertura política.
Indique a principal mudança produzida pela reforma partidária de 1979 e justifique sua aplicação no contexto da abertura “lenta, gradual e segura” promovida pelo regime militar.


Resposta:

Fim do bipartidarismo político, possibilitando o pluripartidarismo.
O fim do bipartidarismo favorecia o esfacelamento político dos setores de oposição, que cresciam, e facilitava a manutenção por parte do governo da maioria de votos no Congresso.

Pressionado politicamente, após as expressivas vitórias do MBD (Movimento Democrático Brasileiro) partido considerados de oposição, o governo militar que vigorava no Brasil nos anos de 1970, buscando enfraquecer a oposição, enviou para o Congresso Nacional a Lei Orgânica dos Partidos Políticos, sancionada no final de 1979, que entre outras medidas restabelecia o pluripartidarismo.
No lugar do MDB, foi criado o PMDB e no da ARENA (Aliança Renovadora Nacional), partido de situação, surgiu o PDS. Algumas correntes dos dois partidos optaram por criar outras legendas, ao mesmo tempo em que, da sociedade novamente organizada politicamente, surgiam propostas de novos partidos.



  
4. (Uerj 2010) 
A proclamação da República no Brasil, em 1889, instituiu a necessidade de revisão dos símbolos nacionais. A nova bandeira, por exemplo, expressou rupturas e continuidades, bem como a valorização de determinadas ideias para o novo regime.




Aponte a corrente político-filosófica que interferiu na remodelação da bandeira brasileira e o argumento dessa corrente para a condenação do regime monárquico.


Resposta:

Positivismo
O positivismo compreendia a monarquia como símbolo de atraso e a república como o regime que traria a modernização e o progresso.

O Positivismo, corrente filosófica do século XIX inaugurada com Auguste Comte, defende a ideia de que o conhecimento científico é a única forma de conhecimento verdadeiro e assim sendo, desconsideram-se todas as outras formas do conhecimento humano que não possam ser comprovadas cientificamente. Para os Positivistas o progresso da humanidade depende única e exclusivamente dos avanços científicos, único meio capaz de transformar a sociedade e o planeta Terra no paraíso idealizado pelas gerações anteriores de pensadores. Esse pensamento teve grande influência no movimento republicano brasileiro da mesma época, consequentemente na construção da República.



  
5. (Uerj 2010) 





Como indicado no mapa acima, a expansão marítima promovida pela Coroa de Portugal, nos séculos XV e XVI, permitiu a incorporação de novas regiões e sociedades ao comércio europeu.
Apresente dois interesses da sociedade portuguesa na exploração da costa ocidental africana e explique a importância da região para o estabelecimento dos portugueses na Ásia.


Resposta:

Dois dos interesses:
• continuidade das guerras de Reconquista no norte da África
• expansão do tráfico de escravos no golfo da Guiné
• exploração da agro manufatura açucareira nas ilhas de Madeira, Açores, São Tomé e Príncipe
• obtenção de produtos como pimenta malagueta, ouro e marfim

O lucro com as atividades econômicas desenvolvidas na região permitia o financiamento de expedições destinadas à abertura de um novo caminho para as “Índias”, regiões asiáticas cobiçadas em função do comércio de especiarias.

O enunciado e a resposta da questão abordam aspectos significativos da expansão marítima portuguesa nos séculos XV e XVI, como as vantagens da exploração África para o financiamento de expedições ao Oriente, tema que raramente é requisitado aos vestibulandos.



  
6. (Uerj 2010) 
Coketown era uma cidade de tijolos vermelhos, ou melhor, de tijolos que seriam vermelhos se a fumaça e as cinzas permitissem, cidade de máquinas e de altas chaminés. Apresentava muitas ruas largas, todas iguais, e muitas ruazinhas ainda mais iguais, cheias de pessoas também muito iguais, pois todas saíam e entravam nas mesmas horas, andando com passo igual na mesma calçada, para fazer o mesmo trabalho, e para elas cada dia era parecido com o da véspera e com o dia seguinte.

CHARLES DICKENS
In: ENDERS, Armelle e outros. História em curso. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

A Revolução Industrial provocou grandes mudanças em algumas cidades inglesas a partir de finais do século XVIII. A imagem de Birmingham, de 1886, e o fragmento do romance Tempos difíceis, publicado em 1854, apresentam sinais dessas transformações.


Apresente uma mudança causada pelo processo de industrialização nas cidades inglesas e uma de suas consequências para as condições de vida do operariado.


Resposta:

Uma das mudanças:
• expansão, diversificação e maior complexidade da paisagem urbana
  • separação entre bairros operários, mais próximos das zonas de localização das indústrias, e bairros nobres, áreas de lazer e logradouros destinados à administração
 • alteração do espaço natural decorrente da concentração industrial em áreas urbanas, causadora de efeitos poluentes e de degradação ambiental, associados tanto à aplicação dos progressos tecnológicos na mecanização da produção quanto aos processos de expansão e de concentração demográfica
 • crescimento populacional decorrente da ampliação da demanda por mão de obra e alimentado por feixes migratórios originários das áreas rurais

Uma das consequências:
• crescente divisão do trabalho
• padronização dos ritmos de vida
• exploração da mão de obra infantil e feminina
• crescimento dos índices de violência e criminalidade

Entre as consequências as Revolução Industrial, a intensificação do processo de urbanização da sociedade foi uma das mais significativas, porém as precárias condições de vida e trabalho a que foram submetidas as populações operárias geravam situações como as descritas no texto.



  
7. (Uerj 2008)  A proposição de planos de trabalho para o desenvolvimento nacional tornou-se comum entre os governos brasileiros, principalmente após a Segunda Guerra Mundial. No caso do período JK, o Plano de Metas apresentava de forma ambiciosa 31 objetivos a serem atingidos no espaço de cinco anos de mandato (1956-1960).
Considere as informações contidas na linha de tempo a seguir.



A partir desses dados, identifique dois problemas que dificultaram o cumprimento dos objetivos apresentados para o ano de 1956 e duas consequências da aplicação do plano - uma social e outra econômica - no chamado "período de recuperação econômica".


Resposta:

Dois dos problemas:
- falta de apoio político no Poder Legislativo
- insucesso no controle da inflação
- oposição da UDN

Uma das consequências sociais:
- aprofundamento do processo de urbanização da população
- aumento das desigualdades regionais
- aumento do poder aquisitivo das camadas médias urbanas
- favelização dos grandes centros urbanos

Uma das consequências econômicas:
- fortalecimento da política de substituição de importações
- maior ação de capitais estrangeiros no financiamento da economia nacional
- consolidação da indústria automobilística no país
- fortalecimento das indústrias de bens de consumo duráveis
- aumento do endividamento externo nacional
- maior dependência em relação ao capital internacional
- ampliação das taxas de crescimento anual do PIB
- significativo crescimento do setor industrial



  
8. (Uerj 2006) 



Os quadrinhos fazem referência, de modo crítico, a diversos aspectos da sociedade do Antigo Regime, entre os séculos XVI e XVIII, cujas instâncias de poder eram a Coroa, a Igreja e a Nobreza.

a) Identifique dois aspectos da sociedade do Antigo Regime que possam ser relacionados às críticas sugeridas nos quadrinhos.
b) Nas colônias europeias, a resistência a determinadas práticas do Antigo Regime foi concretizada por uma série de rebeliões. Cite uma rebelião colonial ocorrida no Brasil na segunda metade do século XVIII e um de seus objetivos.


Resposta:

a) Dois dentre os aspectos da sociedade:
- marcada pela liturgia da religião
- dividida em ordens ou estamentos
- baseada no privilégio do nascimento
- marcada pelas guerras e pela violência
- caracterizada pelo recorrente recurso à repressão

b) Uma dentre as rebeliões e um dentre seus respectivos objetivos:
I - Inconfidência Mineira
    I.1 - pôr fim à opressão colonial
    I.2 - acabar com a cobrança da derrama
    I.3 - incentivar a criação de manufaturas
    I.4 - dar um governo liberal às Minas Gerais
    I.5 - proclamar uma república em Minas Gerais

II - Conjuração Baiana ("Conjuração dos Alfaiates")
    II.1 - implantar uma república
    II.2 - acabar com a escravidão
    II.3 - aumentar o soldo da tropa
    II.4 - dar novo sistema de promoções militares
    II.5 - estabelecer o livre comércio com todos os povos
    II.6 - estabelecer igualdade de direitos civis, independentemente da cor da pele



  
9. (Uerj 2006) 



Há exatos sessenta anos terminava a Segunda Guerra Mundial, fim de um período que, tendo se iniciado em 1914, com a Primeira Guerra Mundial, foi denominado, por historiadores, como "a longa guerra de 30 anos", que marcou profundamente o século XX. No Brasil, o término d o conflito foi um fator do processo de redemocratização, com o fim do Estado Novo e a criação de partidos políticos, como o Partido Trabalhista Brasileiro - PTB.

a) A relação estabelecida entre os dois conflitos mundiais do século XX deve-se, dentre outros motivos, à instabilidade da paz pós-1918. Indique dois fatores geradores de instabilidade política no período entre-guerras.

b) A redemocratização brasileira não significou o abandono de estratégias políticas instituídas no Estado Novo. Explique de que forma o PTB, nas décadas de 1940 e 1950, incorporou essas estratégias.


Resposta:

a) Dois dentre os fatores:
- ineficácia dos instrumentos políticos do liberalismo
- incapacidade político-econômica da Liga das Nações
- ressurgimento de movimentos nacionalistas e xenófobos
- isolamento assumido pelos EUA nas relações internacionais
- crescimento de partidos políticos defensores de soluções extremistas
- insatisfações e ressentimentos provocados pelos Tratados de Paris
- manutenção das disputas imperialistas entre as nações capitalistas centrais
- temor das potências capitalistas europeias em relação à expansão do bolchevismo na Europa

b) O PTB, partido criado por Getúlio Vargas, congregou grande parte das lideranças que haviam sido instituídas a partir da política sindical oficial, montada durante o Estado Novo e sob influência de seu Ministério do Trabalho.



  
10. (Uerj 2006)


 
As imagens apresentam algumas mudanças ocorridas na vida urbana do Rio de Janeiro, na passagem do século XIX para o século XX, indicando reflexos do processo da Revolução Tecnológica e Científica na cidade.

a) De acordo com a ilustração acima, um elemento foi fundamental para estabelecer a diferença entre a Revolução Industrial da Inglaterra no século XVIII e a Revolução Tecnológica e Científica do final do século XIX.
Identifique esse elemento, descrevendo o papel que ele desempenhou na diferenciação entre esses dois processos.

b) Na passagem do século XIX para o XX, dizia-se pelos jornais: "O Rio civiliza-se".
Cite um aspecto da vida urbana da capital brasileira nessa época que era considerado como um símbolo de atraso e a solução proposta por intelectuais e políticos para superá-lo.


Resposta:

a) O uso da eletricidade, fruto da crescente interação entre tecnologia e produção, passando a substituir o vapor, obtido por meio da combustão do carvão, como força motriz da indústria.

b) Um dentre os aspectos e suas respectivas soluções:
- capacidade limitada do porto da cidade; modernização e ampliação do porto
- insalubridade da Cidade Velha; obras de saneamento da capital da República
- traçado tortuoso das ruas da cidade; abertura de novas avenidas, cujo símbolo maior foi a Avenida Central
- controle e mesmo proibição das festas populares de rua (como o entrudo e as quermesses); realização de festas nos espaços fechados dos bailes, salões e clubes 


-->




Link para questões de outras disciplinas: http://praticandoalinguaportuguesananet.blogspot.com.br/

HOTWORDS

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Follow by Email

Textos relacionados